Triste sina do meu Brasil – por Gladyston Leonello

Escrito por
Atualizado: abril 13, 2017
Desde as diretas já e a morte de Tancredo e Ulisses foi-se instituída uma prática nada republicana; o pagamento de percentuais em obras, prestações de serviços e materiais para o que chamavam de fundo de campanha. Não foi algo instituído democraticamente,  os que não o aceitaram, deixaram de fazer parte do quadro de fornecedores do governo.
Foram perseguidos usando-se a máquina e deixaram de existir.  A prática teve adesões rápidas sendo incorporada por administrações estaduais e municipais. Com o passar dos anos os percentuais foram subindo e junto com ele, novas formas de se beneficiarem com o dinheiro dos cofres públicos. Não existe nos dias de hoje empresas prestadoras de serviços e materiais que não paguem propina. Salvo se for de algum político ou uma laranja para recebimento. Existe um silêncio de todos os setores empresariais brasileiros, talvez por receio de que todo este descalabro acabe em pizza e percam espaço no velho processo sórdido.
Mas a realidade é que ninguém dá dinheiro por que quer, mas sim para garantir espaço, onde a capacidade técnica, seriedade e trabalho são considerados quesitos irrelevantes. Quando dizem que o PT não inventou a corrupção é a mais cristalina verdade! Mas é também verdade que anteriormente ninguém foi com tanta ganância, irresponsabilidade, desrespeito ao povo, a justiça e ao estado de direito do que eles. O cinismo de sua liderança e seus asseclas beira as raias do absurdo! Agem como se os crimes cometidos anteriormente com sua total complacência, lhes desse absolvição para toda lambança cometida.
Não temos homens públicos, mas sócios participativos do dinheiro gerado por todos brasileiros e que abastece os cofres do governo. Criaturas sem nenhum traço de espírito público. Que não se importa de roubarem de doentes, crianças, aposentadorias de idosos e a esperança de dias melhores a mais de 206 milhões de brasileiros. E como sempre quem paga é a grande maioria que é pobre, não tem rosto, voz. É somente um número de um título de eleitor.
Autor Gladyston Leonello

Comentar

Print Friendly, PDF & Email

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *