Vendas do Tesouro direto superam resgastes – Por Sílvio Persivo

Escrito por
Atualizado: outubro 25, 2019

Traduzir a que será que se destina? “Por princípio, todas as traduções são boas. Em qualquer caso, se passa com elas o mesmo que com as mulheres: de alguma maneira são necessárias, ainda que nem todas sejam perfeitas” (Augusto Monterroso).

DESAFIO INTERNATIONAL SPORT KICKBOXING 

Sob coordenação e realização oficial da International Sport Kickboxing Association (Iska), no próximo dia 2 (sábado), às 19h, no Ginásio Cláudio Coutinho, será realizado o  Desafio Internacional de Kicjboxing, em Porto Velho, com 12 lutas profissionais transmitidas ao vivo por TV para Rondônia e pelo You Tube para todo o planeta. As disputas pelas premiações começam com o espetáculo das pesagens dos lutadores, às 19h, do dia 1º, no Hotel Slaviero, conforme explicou Júnior Oliveira, diretor executivo da Iska – Rondônia, um dos entusiastas do esporte em toda a Amazônia. Segundo ele, a previsão é de que cinco mil pessoas assistam as lutas no Cláudio Coutinho (5ª edição do Desafio Internacional, em Rondônia), que reserva muita emoção, muita adrenalina nas 12 competições profissionais. Segundo ainda  o diretor da Iska em Rondônia, a programação oficial do evento no Ginásio Cláudio Coutinho começa com a solenidade de abertura, para apresentação dos atletas (lutadores), seguida de cerimônia com a presença do governador Marcos Rocha, que é faixa preta de karatê, 4º Dan, e convidados, para, enfim, iniciar as competições. A Superintendência de Turismo (Setur) do Governo de Rondônia que apoia a realização do evento. 

AUDIÊNCIA CONJUNTA DA PEC Nº 45/2019

Foi realizada, na tarde desta quinta-feira (24), na Assembleia Legislativa de Rondônia, a Audiência Pública Conjunta que discutiu sobre a Reforma Tributária, mais conhecida como PEC 45/2019. O evento da Comissão Especial da Câmara de Deputados foi proposto pelo Deputado Federal Léo Moraes e, na Assembleia de Rondônia, pelo deputado estadual Ezequiel Neiva, contando com o apoio do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac e da Confederação Nacional do Comércio-CNC.  Presente o vice-presidente da Comissão especial da Reforma Tributária, deputado Sidney Leite ressaltou que “É chegada a hora de nós termos uma reforma tributária que não só facilite o setor produtivo, mas, também seja um fator importante para o desenvolvimento do País”. E completou “Este é o nono encontro que realizamos nas capitais brasileiras. Nós temos esta responsabilidade coletiva de contribuir para o desenvolvimento econômico do país e de criar um sistema tributário mais simples e menos regressivo”. Já o deputado Léo Moraes disse que “Nós apresentamos uma emenda que visa estancar a possibilidade de aumento de impostos, ou seja, pretendemos assegurar que a reforma simplifique sim, porém, não aumente a carga tributária”. Algumas das falas dos presentes criticaram a falta de  precisão da emenda, o que pode resultar em judicialização, a convivência de dois regimes tributários durante o período de transição e a inexistência de previsões, de números que possibilitem prever os impactos da mudança. Para alguns dos presentes, a ausência de previsões, de números, pode resultar em que se tenha problemas maiores no futuro do que com o atual modelo, bem como que se desestimule os investimentos.

ARRECADAÇÃO FEDERAL DO AMAZONAS CRESCE ACIMA DA MÉDIA

A arrecadação federal do Amazonas voltou a crescer, em setembro, acima da média nacional, embora em um ritmo inferior ao de agosto. Cinco dos nove principais tributos administrados pela Receita Federal sustentaram a alta do recolhimento no Estado, três deles incidentes sobre as vendas. Sem descontar a inflação, a soma de tributos, receita previdenciária e recursos não administrados pelo órgão totalizou R$ 1,41 bilhão no mês passado, 14,63% a mais do que o obtido no mesmo mês de 2018 (R$ 1,23 bilhão) – bem abaixo dos 24,14% anteriores. O desempenho do Estado ficou novamente bem acima da média nacional (+2,95%), que passou de R$ 110,66 bilhões (2018) para R$ 113,93 bilhões (2019) na mesma comparação. Entre os tributos incidentes sobre o faturamento, a única baixa veio do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), um dos tributos que integram a cesta de incentivos da ZFM. Passou de R$ 15,60 milhões (2018) para R$ 11,97 milhões (2019), uma retração de 23,27%. Majoritário na composição das receitas do tributo, o IPI vinculado à importação (-26,25%) voltou a puxar os números para baixo.

VENDAS DO TESOURO DIRETO SUPERAM RESGASTES 

As vendas do Tesouro Direto superaram os resgates em R$ 302,6 milhões em setembro. De acordo com os dados do Tesouro Nacional, divulgados hoje (25), em Brasília, as vendas do programa atingiram R$ 1,923 bilhão no mês passado. Já os resgates somaram R$ 1,620 bilhão. Todos os resgates são de recompras de títulos públicos. Não houve resgates relativos a vencimentos, ou seja, quando o prazo do título acaba, e o Tesouro precisa reembolsar o investidor com juros.  Os títulos mais procurados pelos investidores foram os vinculados à taxa Selic (juros básicos da economia), cuja participação nas vendas atingiu 50,2%. Os títulos corrigidos pela inflação (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – IPCA) corresponderam a 30,5% do total das vendas, enquanto os prefixados, com juros definidos no momento da emissão, foram 19,2%. O estoque total do Tesouro Direto alcançou R$ 58,8 bilhões no fim de setembro, um aumento de 1,1% em relação a agosto (R$ 58,1 bilhões) e de 13,9% em relação a setembro do ano passado (R$ 51,6 bilhões).

AUTOR: SÍLVIO PERSIVO –  COLUNA TEIA DIGITAL –  JORNALISTA

Comentar

Print Friendly, PDF & Email

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.