Teia Digital

Ministro afirma que se economia não voltar as pessoas vão morrer de fome – Por Sílvio Persivo

Sai desta couraça que não te pertence. “É necessário sair da ilha para ver a ilha. Não nos vemos se não saímos de nós” (José Saramago). 

CONGRESSO INTERNACIONAL DE LITERATURA, CULTURA E RESISTÊNCIA 2020 NA UNIR

Está acontecendo desde ontem (21) até este sábado (23) Congresso Internacional de Literatura, Cultura e Resistência (CILCER) 2020, que é uma iniciativa reflexivo-discursiva acerca dos estudos sociais, literários, das linguagens artísticas e das culturas brasileira, angolana e de países latino-americanos em tempos de necessidades urgentes de resistências, frente aos processo de globalização.  A iniciativa , em meio ao isolamento pandêmico, visa congregar virtualmente pesquisadores e pesquisadoras de locais brasileiros e continentes distintos, de modo que se garanta a representatividade e o empoderamento dessas diferenças, suas falas e suas manifestações. Os objetivos geral e específicos são adquirir conhecimentos sociais, literários, artísticos e culturais dos povos brasileiro, angolano e latino-americano, de maneira que se possa estabelecer relações colaborativas, cooperativas, reconhecimento e valorização das peculiaridades desses povos frente aos processos de globalização. Nos dois primeiros dias, expositores e/ou expositoras fizeram suas apresentações e interagiram com os participantes, esclarecendo dúvidas e sugerindo (re)tomadas de iniciativas artísticas, literárias e culturais. Amanhã,  no terceiro e último dia acontecerão apresentações de comunicações orais de pesquisadores: professores, mestrandos e doutorandos de programas de pós-graduação em Letras, Literatura, Linguagens, Artes, Estudos Culturas e afins. Outras informações podem ser encontradas no sítio institucional de notícias da UNEMAT. Dúvidas podem ser respondidas ao contatar o e-mail [email protected] ou o telefone (69) 99942 6364. Para participação, é necessária a inscrição gratuita por meio do link https://forms.gle/i8UiN qY5JCTFCr2i7

QUASE 50% DAS EMPRESAS DO PIM PRETENDEM RETORNAR À NORMALIDADE

A Superintendência da Zona Franca de Manaus-SUFRAMA realizou um levantamento que constatou que, com a crise do covid-19, as empresas do PIM-Polo Industrial de Manaus estão com, pelo menos, 30% de suas linhas de produção totalmente paralisadas, enquanto outras 22% reduziram entre 25% e 50% o seu nível de atividades. Os seus dirigentes alegam que isto se dá por redução da demanda e cancelamento dos pedidos.  Os números pioraram em relação ao levantamento anterior (abril). O número de empresas que paralisaram entre 50% e 75% de suas atividades está na casa dos 16%. Um dado positivo vem do fato de que a fatia do PIM que optou por não interromper seus trabalhos passou de 20% para 21%, entre abril e maio – mas, 8% já cogitam reduzir o volume de trabalho ou parar completamente, diante das dificuldades. Além da  queda na demanda e a suspensão das compras no varejo, o motivo mais citado pelas indústrias do PIM para justificar a paralisação total ou parcial das operações foi a proteção de seus recursos humanos (58%), escassez de capital de giro (16%), falta de insumos, componentes ou matérias-primas importadas (10%) e falta de insumos, componentes ou matérias-primas nacionais (2%). Um dado positivo do levantamento é o de que 46% das empresas pretendem retomar a normalidade das atividades e já estão estabelecendo um plano de ação para isto. Outra parcela de 10% está otimista, mas ainda não traçou planos para a retomada. A quase totalidade delas manifestou a crença de que serão necessários menos de 90 dias para retomar a normalidade. 

MINISTRO AFIRMA QUE SE A ECONOMIA NÃO VOLTAR AS PESSOAS VÃO MORRER É DE FOME

Na Comissão Mista do Congresso Nacional sobre Covid-19, o ministro-chefe da Casa Civil, general Braga Netto, destacou que o auxílio emergencial de R$ 600,00, que está sendo pago pelo Governo Federal ameniza a situação, mas, que os recursos são finitos e que a economia precisa voltar sob pena de um caos social. Na sua fala foi taxativo: “O recurso é finito. Quando terminar o recurso, e não tem como continuar por muito tempo, a economia tem que voltar e aí nós precisamos do apoio dos senhores, porque se a economia não voltar, nós vamos ter gente morrendo de fome e vamos ter caos social, de desabastecimento e tudo mais”. Questionado sobre as dificuldades das micro e pequenas empresas de tomarem crédito em condições especiais, o ministro afirmou que uma nova Medida Provisória, para retirar as travas para que o crédito efetivamente chegue às micro e pequenas empresas está prestes a ser editada pelo governo. A expectativa é de que essa MP, somada à Lei 13.999/2020, recentemente sancionada, consiga aumentar a efetividade do credito que chega às micro e pequenas empresas. O texto sancionado cria linha de crédito com juros mais baixos para micro e pequenos empresários no enfrentamento da crise econômica causada pela pandemia.

CAPACIDADE OPERACIONAL DA INDÚSTRIA SE ENCONTRA NO SEU PATAMAR MAIS BAIXO 

A Agência Brasil divulgou matéria afirmando que a indústria da construção civil foi duramente afetada em abril, segundo a Confederação Nacional da Indústria (CNI), a partir da Sondagem Indústria da Construção, a utilização da capacidade operacional ficou  em  50% no mês passado, o valor mais baixo da série histórica iniciada em 2012. A pesquisa mostra que os índices de evolução do nível de atividade e do número de empregados permanecem bem abaixo da linha de 50 pontos. O indicador de evolução do nível de atividade registrou 29,4 pontos e o índice de evolução do número de empregados recuou para 24,1 pontos. Este dado varia entre zero e 100 e todo valor abaixo de 50 é negativo. Por causa disto, em face da crise do coronavírus,  o Índice de Confiança do Empresário Industrial da Construção (Icei-Construção) registrou 37,6 pontos em maio, bem abaixo do ponto em que se iniciam expectativas otimistas.

AUTOR: SILVIO PERSIVO –  COLUNA TEIA DIGITAL

Comentar

Print Friendly, PDF & Email
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com