Ministra vai asisnar concessão florestal do Jamari – Por Sílvio Persivo

Escrito por
Atualizado: agosto 16, 2019

Com vinho, de quebra. “Uns tomam éter, outros cocaína. Eu já tomei tristeza, hoje tomo alegria” (Manuel Bandeira). 

MINISTRA VAI ASSINAR CONCESSÃO FLORESTAL DO JAMARI

Divulgado, pelo Governo de Rondônia, que o contrato de concessão florestal da Floresta Jamari será assinado pela ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Tereza Cristina Corrêa, no Palácio Rio Madeira, sede do complexo administrativo de Rondônia, na próxima segunda-feira (19), em Porto Velho. Com o governador Marcos Rocha, o diretor geral do Serviço Florestal Brasileiro, Valdir Colatto, o secretário de Agricultura do Estado (Seagri), Evandro Cesar Padovani, e o diretor de concessão florestal, Paulo Carneiro, a ministra vai sobrevoar as florestas de Jamari e Jacundá. Depois se reunirá para assinatura do contrato de concessão florestal da unidade de Manejo Florestal IV no auditório Jerônimo Garcia de Santana, no Palácio Rio Madeira, com o representante da empresa detentora de áreas de concessão florestal federal, para o manejo sustentável de madeira.

MEETUP.RO É UM FÓRUM DE INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE

Pela primeira vez, Rondônia discutirá políticas públicas de inovação e competitividade com o objetivo de criar uma cultura de inovação no campo, nas indústrias, no comércio e serviços, para alavancar os índices de desenvolvimento econômico e criar emprego e renda para a população. O Meetup.RO acontecerá nos dias 20 e 21 de agosto no auditório da Faculdade Sapiens e é considerado pela Superintendência de Desenvolvimento Econômico e Infraestrutura (Sedi), que organiza o evento com apoio da Faculdade Sapiens, como um marco, pois Rondônia está em último lugar no pilar de inovação no ranking de competitividade elaborado pelo Centro de Liderança Pública (Clp), e na oportunidade será lançado o Programa de Inovação da Sedi, com quatro programas e ações para mudar essa realidade. Maiores informações e inscrições: https://www.even3.com.br/meetupro/

DEFINIÇÃO DE NOVO NOME PARA O PRÉDIO DA PREFEITURA

O prefeito Hildon Chaves deseja dar um nome ao antigo Prédio do Relógio, totalmente reformado para ser a sede da Prefeitura. Para isto reuniu vários historiadores e pediu sugestões de nomes para serem submetidos ao público em geral. Os três nomes definidos para a escolha pelo público são “Palácio dos Migrantes”, “Palácio Dr. Tanajura” e “Palácio Aluizio Pinheiro”. 

MAIORES QUEDAS NA TAXA DE DESEMPREGO OCORRERAM NO NORTE

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística-IBGE divulgou que, no 2º  trimestre, a taxa de desemprego do país recuou para 12%, percentual inferior aos 12,7% do 1º trimestre deste ano e aos 12,4% do 2º trimestre do ano passado.  Dez das 27 unidades da Federação na passagem do primeiro para o segundo trimestre deste ano tiveram quedas nas taxas. As maiores quedas ocorreram no Acre, de 18% para 13,6%, Amapá, de 20,2% para 16,9%, e em Rondônia, de 8,9% para 6,7%. Nas outras 17 unidades da Federação, a taxa permaneceu a mesma.

MELHORA A TAXA DE DESEMPREGO DO AMAZONAS NO 2º TRIMESTRE

A taxa de desemprego do Amazonas, Manaus e região metropolitana caiu, no 2º trimestre de 2019, em quase todas as comparações. A melhora no nível de ocupação, contudo, foi acompanhada pelo aumento da informalidade no trabalho. Segundo a PNAD Contínua Trimestral do IBGE,  o percentual de pessoas sem trabalho remunerado no Amazonas passou de 15,9% para 13,9% entre o 1º e o 3º trimestre de 2019. Manaus, que continua a encabeçar o ranking, reduziu a taxa de 19,4% para 17,7%. Já a Região Metropolitana de Manaus reduziu de 18,3% para 16,5%. Houve um recuo em relação ao 2º trimestre de 2018 para o Estado (14,2%) e para a capital (16,7%), mas, não para a RMM (17,6%).  O Amazonas ocupou a nona posição em relação às outras unidades da federação. As maiores taxas foram registradas na Bahia (17,3%), Amapá (16,9%) e Pernambuco (16%). As menores ficaram em Santa Catarina (6%), Rondônia (6,7%) e Rio Grande do Sul (8,2%). Entre as capitais, desta vez Manaus foi acompanhada na primeira posição por Salvador e Macapá – ambas também com 17,7%. As menores taxas de desocupação do Brasil ficaram em Florianópolis (7,5%), Goiânia (7,9%) e Campo Grande (8%). Em relação às regiões metropolitanas, a taxa de desemprego de Manaus foi a quinta maior. 

MERCADO IMOBILIÁRIO RETOMA RITMO DE CRESCIMENTO 

Segundo a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), a venda e o lançamento de unidades residenciais cresceram no 1º trimestre de 2019, com alta de 9% e de 4%, respectivamente.  O financiamento de imóveis com recursos da poupança cresceu, nos primeiros cinco meses de 2019, o volume chegou a quase 40% e ultrapassou R$ 27 bilhões. O montante viabilizou a compra de 104 mil imóveis no país, resultado 31% superior ao apurado no mesmo período do ano passado. Como exemplo para o fim do cenário de estagnação do mercado, a CBIC cita o Estado do Paraná, onde o número de apartamentos novos lançados na sua capital, Curitiba, subiu 18% no primeiro semestre deste ano, frente ao mesmo período de 2018. A última pesquisa divulgada pela Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário do Paraná (Ademi-PR), aponta que 855 novos imóveis residenciais ofertados no mercado no acumulado de 2019 até junho. Para o presidente da Ademi-PR, Leonardo Pissetti, o aumento da produção no mercado é resultado não só do otimismo dos empresários em relação à economia, mas também da redução da taxa de juros no país. O crescimento do mercado foi ainda maior se consideradas as operações realizadas dentro do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE). De janeiro até junho deste ano, os financiamentos totalizaram R$ 33,7 bilhões, 33% a mais que o volume do mesmo período de 2018, segundo pesquisa da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip). No entanto, em Porto Velho, apesar de ter havido uma melhora, os corretores se queixam de que ainda é muito fraca. Por um lado, tem razão, mas, existem muitos deles que estão com olhar para o retrovisor, pensam nos tempos passados da construção das usinas. 

AUTOR: SÍLVIO PERSIVO –  COLUNISTA TEIA DIGITAL

Comentar

Print Friendly, PDF & Email

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.