ERP é utilizado para racionalizar os gastos públicos – Por Sílvio Persivo

Escrito por
Atualizado: junho 12, 2019

Cuidado se você for um especialista. Os idiotas lincham. “Esse é um período perigoso. Nunca tanta gente teve acesso a tanto conhecimento e, ainda assim, foi tão resistente a aprender qualquer coisa” (Thomas Nichols).

ERP É UTILIZADO PARA RACIONALIZAR OS GASTOS PÚBLICOS

O Governo do Estado divulgou que procura racionalizar, cada vez mais, os gastos públicos. As primeiras ações, renderam aos cofres públicos uma economia superior a R$ 95 milhões. Os dados fazem parte das informações de análise dos 100 dias de gestão do governador Marcos Rocha.  Através da Superintendência Estadual dos Gastos Públicos Administrativos (Sugesp) são controladas as despesas com energia elétrica, combustível, produtos e equipes de limpeza, controle de diárias, passagens e publicidade. Além disto, é de responsabilidade da Sugesp a manutenção geral dos veículos do Estado e a Frota Única, serviços esses que exigem um controle mais rigoroso.  Para garantir a eficiência neste controle, foi necessária a criação e desenvolvimento de uma ferramenta de B.I (Business Intelligence), o ERP – Sugesp. O sistema é utilizado para integrar processos, auxiliar na organização dos dados e oferecer aos gestores uma visão estratégica, e detalhada, de tudo o que acontece na operação, permitindo a correta distribuição de recursos, a otimização dos procedimentos e o direcionamento assertivo dos investimentos. O ERP – Sugesp, dentro do governo, é um  sistema de gestão integrada para gerenciar todos os processos desde a entrada de insumos até o recebimento e demonstrativo de pagamento de diárias, passagens e combustível, referente a todas as atividades relacionadas ao Governo de Rondônia. Segundo o superintendente da pasta, Júnior Gonçalves, o sistema fornece, ainda, informações precisas de quem está viajando, qual o objetivo da viagem, qual a secretaria que mais realizou deslocamentos. “Em tempo real, os gestores conseguem visualizar destino de diárias, passagens, gastos essenciais, além de acessos à comparativos sobre períodos através de gráficos que ajudam nas tomadas de decisões”.

AGENDAMENTO ONLINE DEMONSTRA MELHORIAS DO TUDO AQUI

O Tudo Aqui de Rondônia conta, hoje, com quatro unidades, duas em Porto Velho (Av. 7 de Setembro e Porto Velho Shopping), uma em Ji-Paraná e outra em Rolim de Moura, que oferecem serviços de mais de 20 instituições, entre elas os Correios, Defensoria Pública, Detran, Ministério Público, Sine, Procon, TRE, Sefin, Sebrae entre outros. De acordo com a coordenadora estadual do Tudo Aqui, Nízia Izabela Valadares, medidas do governo coronel Marcos Rocha que deram mais fluidez e rapidez ao serviço, de forma que “Só nos quatro primeiros meses do ano o Tudo Aqui em Porto Velho realizou 100.498 atendimentos. A nossa prioridade é prestar serviço com qualidade e em menos tempo.” Por dia, só a unidade da Av. 7 de Setembro, chega a receber quase mil pessoas no local. No primeiro quadrimestre do ano foram realizados na unidade de Ji-Paraná 58.956 atendimentos, enquanto em Rolim de Moura foram 45.737. Na capital foram 89.838 na sede e 10.660 na unidade do Shopping. A Secretaria Estadual de Assistência e do Desenvolvimento Social (Seas), que cuida do Tudo Aqui, se preocupa também com as pessoas com deficiência, oferecendo atendimento em libras, a cadeirantes, acessibilidade em banheiros e demais serviços. O investimento em tecnologia também beneficiou a população. Já que, de forma online, o usuário consegue ter acesso a todos os serviços disponibilizados, além de tirar dúvidas, saber qual a documentação necessária e, ainda, agendar horário de atendimento sem precisar sair de casa. O usuário precisa apenas entrar no site do órgão e fazer um pré-cadastro para acessar ao serviço.

CUSTO DE CONSTRUÇÃO, EM MAIO, REDUZ NO AMAZONAS

Depois de quatro meses seguidos de aumentos, o INCC (Índice Nacional de Construção Civil) do Amazonas registrou sua primeira queda, em maio, mas, ainda assim ficou acima da média nacional. A informação é do IBGE com o Sinapi (Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil). A alta foi de 0,35% e ficou 0,23% abaixo da marca de abril (+0,58%), ao passar de R$ 1.096,43 para R$ 1.100,53. A redução do ritmo não evitou a altas do acumulados. No ano, a variação foi de 1,51%, um acréscimo de 0,36% em relação ao levantamento anterior (+1,15%). Em 12 meses, o incremento foi de 6,10%, ficando pouco acima (0,03 p.p.) do registro do mês passado (+6,07%). Na variação mensal, o custo da construção civil do Amazonas foi o sétimo acréscimo percentual mais alto entre as 27 unidades da federação e 13º menor valor do país. O maior custo em termos monetários foi do Acre (+0,56%), enquanto Rondônia (-0,37%) ficou com o menor. Em termos de valores, Sergipe (R$ 985,79) teve o custo mais baixo e Santa Catarina (R$ 1.274,65), o mais alto. O INCC subiu com menos força na média brasileira (+0,11%), ficando 0,23 pontos aquém do número de abril (+0,34%). Subiu de R$ 1.130,67 para R$ 1.131,89. O indicador nacional acumulou elevações de 1,61% no ano e de 4,49% em 12 meses.

PARA AUMENTAR A COMPETITIVIDADE A IMPLANTAÇÃO DO 5G É CRÍTICA

As redes de telecomunicações são as plataformas tecnológicas mais importantes do mundo, e é através da digitalização que conseguimos transformar um país, melhorando a eficiência em todos os setores da economia, e é por isto que o 5G é infraestrutura crítica, destacou Eduardo Ricotta, presidente-executivo da Ericsson Latam Sul, ao participar do Painel Telebrasil 2019. “O 5G é importante para aumentar a competitividade do País, promover inovação e atrair investimentos. Mais da metade do crescimento econômico na próxima década será consequência do uso dessa tecnologia”, afirmou, acrescentando que o 5G começa uma nova era, a da digitalização, que leva ao incremento da competitividade. Segundo Ricotta, um ano de atraso na implantação do 5G custará ao governo, até 2025, a perda de uma arrecadação estimada em R$ 25 bilhões. Ricotta chamou atenção para a necessidade de simplificação. “Propomos a autoregulamentação e que a instalação de antenas seja facilitada para melhorar a velocidade de implantação dos sites”, defendeu. Menores valores para o espectro e fomentar um ambiente digital seguro e confiável são outros pilares que têm de ser observados.  

AUTOR: SÍLVIO PERSIVO –  COLUNISTA TEIA DIGITAL –  PROFESSOR, ECONOMISTA E JORNALISTA

Comentar

Print Friendly, PDF & Email

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.