Teia Digital

Desmatamento em Rondônia em 2019, foi reduzido em 5% – Por Sílvio Perviso

O equilíbrio é impossível. “Viver é isso: ficar se equilibrando o tempo todo entre escolhas e consequências” (Jean Paul Sartre). 

DESMATAMENTO EM RONDÔNIA, EM 2019, FOI REDUZIDO EM 5%

A Secretaria de Estado de Desenvolvimento Ambiental (Sedam) divulgou que, após comparar os dados do Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe) e Prodes, foi possível detectar que os 1.245 km² desmatados em Rondônia, este ano, significou uma redução de 5% em relação ao ano de 2018 – 1.316 km² – e que a maioria das áreas desmatadas estão em terras sob domínio da União, considerando que as propriedades rurais ainda não possuem títulos definitivos, ou seja, pendentes de regularização fundiária. Sobre a derrubada ilegal da floresta em território de responsabilidade do Governo do Estado, a Sedam ressalta que vem intensificando o monitoramento para tornar as operações de repressão mais efetivas, o que possibilitou o embargo de 2.049,0674 hectares de área desmatadas, a apreensão de 40.330,075 m³ de madeiras serradas e em toras, além de várias máquinas e caminhões apreendidos durante as operações realizadas.  O Governo do Estado também busca apoio junto ao Fundo Amazônia e outros para o financiamento de políticas públicas que garantam qualidade de vida à sociedade rondoniense, mantendo a floresta em pé. O programa Arpa e o Paisagens Sustentáveis aportaram, juntos, 10 milhões de reais para investimento na gestão ambiental das unidades de conservação do Estado, e ainda recursos do banco Alemão KFW e outras fontes.

AMAZÔNIA EXPERIÊNCIA INTERCÂMBIO DE INOVAÇÕES A PARTIR DO VALE DO SILÍCIO. 

No mundo inteiro o Vale do Silício é conhecido como o polo global de inovação tecnológica e empreendedorismo. Isto por ser o lar das maiores empresas de alta tecnologia do mundo e ser o berço das “startups”, que são as pequenas empresas em período inicial à procura de um modelo de negócios escalável. Mudanças ainda mais profundas vão acontecer e o Vale do Silício continuará ditando o ritmo do que irá surgir no futuro. Por isto, agora, em Porto Velho, se tem uma oportunidade única de aprender mais sobre como isto é possível e quais os seus futuros desdobramentos. O meio é participar do Amazônia Experience Porto Velho, uma noite em que dois empreendedores do mais alto nível compartilharão suas experiências por meio de palestras e debates, que vão motivar a sua atitude criativa e transformadora e irá desafiá-lo a pensar no impacto global das inovações que estão surgindo no Vale, e que logo chegarão em nossa região. Neste evento estarão dois palestrantes de alto nível e com amplo conhecimento do Vale do Silício e suas consequências, que  são: Fábio Teixeira – co-fundador da Hypercubes, uma startup inovadora do Vale do Silício, que lançará nano satélites capazes de monitorar com precisão o solo e determinar seu nível de fertilidade, stress, espécies invasoras, doenças e até os nutrientes que estão presentes nas flores das plantas. Felipe Lamounier – sócio da StartSe, responsável criação dos programas de imersão no Vale do Silício. Ex-executivo da TOTVS, mestre em Ciência da Computação na ITU Silicon Valley e pós-graduado na UC Berkeley. A Amazônia Experience Porto Velho é uma promoção da São Lucas Educacional em conjunto com o Sebrae Rondônia. Acontece em 25 de novembro;  Horário: 19h30 às 22h00. Local: Auditório Campus II (Rua João Goulart, 666 – Bairro Mato Grosso). Investimento: Gratuito – Período de inscrição: até o dia 23 de novembro. Acesso para inscrição: https://loja.ro.sebrae.com.br/loja/evento/2318567. 

SETOR AMAZONENSE DE DUAS RODAS TEM PROJEÇÃO DE PRODUÇÃO MAIOR EM 2019

Anunciada na abertura do Salão de Duas Rodas 2019, realizada no pavilhão do São Paulo Expo, no último dia 18 (segunda) que o setor projeta para o fim de 2019 um total de 1.1 milhão de unidades produzidos no PIM (Polo Industrial de Manaus). A expectativa é de que a curva de crescimento para 2020,  eleve a produção para 1.175.000 motocicletas, uma alta de 6,3% ante as 1.105.000 unidades projetadas para este ano. Os dados foram divulgados pela Abraciclo (Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares). É, de fato, se trata de uma revisão, pois, a nova estimativa para produção total de 2019 de 1.105.000 unidades, corresponde a uma alta de 6,6% na comparação com o volume produzido em 2018 (1.036.788 unidades). A projeção anterior, apresentada em abril, apontava um total de 1.100.000 unidades para o presente ano.

GOVERNO BUSCA RECURSOS DOS BRICS PARA FERROVIAS 

Durante o painel sobre oportunidade de investimentos apresentado na Reunião de Cúpula do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), realizada no dia 13 de novembro em Brasília, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, disse que o Brasil aguarda investimentos no setor ferroviário. “Temos duas ferrovias, com leilões previstos para o próximo ano, que podem representar um renascimento. Queremos também contar com trens de passageiros”, afirma o ministro.  Ele comemorou a evolução das conversas desenvolvidas com o Novo Banco de Desenvolvimento (NDB, em inglês), mantido pelos membros do Brics. Os dirigentes de países do Brics apostam na liberação de financiamentos do NDB para ampliar os investimentos em programas de infraestrutura. A instituição garante que haverá aceleração dos empréstimos e estuda fazê-los nas moedas de cada país. O presidente Jair Bolsonaro chamou a atenção para a necessidade de eliminar o desequilíbrio, em desfavor do Brasil, em relação aos empréstimos do NDB. Dos 45 projetos de financiamento já aprovados, apenas seis são brasileiros, totalizando US$ 1,4 bilhão em áreas como logística, infraestrutura, transportes e sustentabilidade. Na semana passada foi assinado um memorando de entendimento entre o BNDES e o NDB, com o intuito de mobilizar investimentos privados em infraestrutura nos países do bloco.

AUTOR: SILVIO PERSIVO –  COLUNA TEIA DIGITAL

Comentar

Print Friendly, PDF & Email
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com