Politica

Reunião ministerial ‘sigilosa’ de Bolsonaro teve 40 pessoas

“Segredos de Estado” foram debatidos na presença de ministros, presidentes de bancos públicos, assessores especiais e ajudantes de ordens

Tratada agora como sigilosa pelo governo de Jair Bolsonaro, a reunião ministerial do 22 de abril, a última com a participação com o ex-ministro da Justiça Sérgio Moro, foi presenciada por ao menos 40 pessoas.

Os “segredos de Estado”, conforme alega o governo, foram conversados na presença de todo o primeiro escalão, presidentes de bancos públicos, assessores especiais, ajudantes de ordens, cinegrafista e fotógrafo. A quantidade de pessoas pode ser conferida nas imagens divulgadas pelo Palácio do Planalto.

Os detalhes deste encontro estão sendo averiguados no inquérito aberto pelo STF (Supremo Tribunal Federal) para apurar a acusação de Moro de que o presidente Bolsonaro tentou intervir no comando da Polícia Federal. O governo quer que apenas parte da reunião seja divulgada.

Ministro-chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), Augusto Heleno, argumentou que divulgar que o vídeo na íntegra da reunião, que agora é alvo de inquérito, é “quase um atentado à segurança nacional”.

“Pleitear que seja divulgado, inteiramente, o vídeo de uma reunião ministerial, com assuntos confidenciais e até secretos, para atender interesses políticos, é uma ato impatriótico, quase um atento à segurança nacional”, escreveu no Twitter na quarta-feira (14).

Para evitar a divulgação do vídeo, a AGU (Advocacia-Geral da União) alegou, na semana passada, “assuntos potencialmente sensíveis e reservados de Estado”. O presidente tem adotado o mesmo discurso, dizendo que não há problemas em divulgar o trecho alvo de investigação, mas alega que “assuntos comerciais, de relações internacionais e questões pessoais” se mantenham em sigilo.

Entretanto, até o inquérito envolvendo o ex-ministro da Justiça, a preocupação com segurança das conversas sigilosas não era tamanha. Durante os conselhos de ministros, garçons da Presidência também entram na sala para servir água e café no início e, eventualmente, retornam à sala para repor as bebidas. Nesses encontros, técnicos de som, responsável pela operação dos microfones, também costumam ter acesso ao local.

Além dos ministros e assessores sentados à mesa, uma foto ampla mostra cinco pessoas em pé. Em outra imagem, é possível verificar que o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, e outros três assessores estão sentados em uma outra fileira de cadeiras, encostada na parede.

O cuidado mais evidente ficava por conta dos celulares. Nestas ocasiões, para evitar vazamentos, todos os participantes são obrigados a deixar o celular do lado de fora da sala. O único que costuma ser exceção é o ministro-chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), Augusto Heleno. Já o telefone do presidente costuma ficar nas mãos de um ajudante de ordens.

Os encontros eram gravados na íntegra e armazenados pela Secretaria de Comunicação com conhecimento do presidente, que eventualmente publica trechos em suas redes sociais.

“Nossa reunião é filmada e fica no cofre lá o chip”, comentou Bolsonaro no dia 28 de abril – na época, ele mesmo sugeriu a divulgação do vídeo. “Mandei legendar e vou divulgar. Tirem as conclusões de como eu converso com os ministros.”

Após a investigação, o governo passou a alegar que apenas trechos eram gravados para a divulgação, mas, por fim, entregou o conteúdo da íntegra da reunião do dia 22 de abril atendendo ao pedido do ministro Celso de Mello, do STF.

O caso está forçando uma mudança nos procedimentos dessas reuniões. O presidente afirmou que agora privilegiará as conversas individuais com os ministros e passará adotar um café da manhã mensal para “confraternização.” A tendência agora é que as reuniões com ministros deixem de ser filmadas, como já ocorreu na última terça-feira no Palácio da Alvorada.

 

FONTE: ESTADÃO CONTEÚDO

Comentar

Print Friendly, PDF & Email
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com