Mãe que foi filmada torturando filha de seis anos é presa

Escrito por
Atualizado: março 18, 2019

Em depoimento à Polícia, Mariana Ribeiro disse ao delegado que estava educando a filha porque ela batia no irmão

Mariana Coelho Medrado Ribeiro foi presa, na última sexta-feira (15), após ser indiciada pelo crime de tortura, no município de Xinguara, sudeste do Pará. Ela foi filmada maltratando a própria filha de 6 anos.

 

As imagens circulam nas redes sociais, mostrando a mulher batendo e sufocando a filha com um pedaço de pano. Em outro vídeo, a criança aparece de joelhos em cima de pedras, com um tijolo na cabeça.

 

A última agressão foi registrada no último dia 9, o que fez com que ela fosse conduzida até a Seccional de Polícia Civil, em Xinguara, e indiciada por crime de tortura. A criança está sob os cuidados do Conselho Tutelar.

 

O caso ganhou repercussão nacional. Ela foi presa por policiais civis da Seccional de Xinguara em sua casa, na Rua Marechal Cordeiro de Farias, Centro do município. Com base nos vídeos e nas provas coletadas pela equipe policial, Mariana Medrado teve o mandado de prisão expedido pela Comarca de Xinguara.

 

Mariana agrediu a filha em diversas ocasiões. Ela foi flagrada por vizinhos que registraram as agressões em vídeo. Este fato chegou ao conhecimento da autoridade policial por meio das redes sociais e causou grande repercussão e clamor social”, disse o delegado Max Muller, responsável pelo inquérito policia do caso.

 

Depoimento 

 

Em depoimento à Polícia, Mariana Ribeiro disse ao delegado que estava educando a filha porque ela batia no irmão mais novo de apenas um ano.

 

A Comissão dos Direitos Humanos, da Ordem de Advogados do Brasil (OAB), acompanha o caso e considera que houve abuso por parte da mãe.

 

O caso deve ser enviado ao fórum para análise da Justiça e, em seguida, ao Ministério Público do Pará (MPPA) que poderá oferecer denúncia ou pedir o arquivamento.

FONTE: EM TEMPO

Comentar

Print Friendly, PDF & Email

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.