Chefe do tráfico da Rocinha, Rogério 157 é preso

Escrito por
Atualizado: dezembro 6, 2017

Chefe do tráfico da Rocinha foi encontrado na comunidade do Arará

Rogério 157 é um dos criminosos mais procurados do Estado do Rio

A polícia prendeu na manhã desta quarta-feira (6), Rogério Avelino da Silva, o Rogério 157 durante uma operação na favela do Arará, zona norte do Rio. O criminoso é apontado como o líder do tráfico de drogas na favela da Rocinha, zona sul, e um dos responsáveis pela guerra na comunidade, em setembro deste ano. Rogério 157 era um dos criminosos mais procurados do Estado do Rio atualmente.

157 foi preso na favela do Arará
157 foi preso na favela do AraráReprodução/Record TV Rio

O traficante foi preso durante uma operação coordenada pela Seseg (Secretaria de Estado de Segurança), com apoio de quase três mil homens das polícias civil, militar, federal, além de agentes das Força Armadas. A ação, que teve início ainda de madrugada, acontece nas comunidades da Mangueira, Tuiuti e Arará/Mandela.

Os militares das Forças Armadas estão responsáveis pelo cerco às comunidade e baseadas em pontos estratégicos. De acordo com o COR (Centro de Operações do Rio), neste momento, a rua Visconde de Niterói está interditada, na altura da Mangueira, devido a operação. A recomendação é fazer o desvio pela avenida Radial Oeste.

Após a prisão do criminoso, muitos tiros foram ouvidos na favela da Rocinha, segundo relato de moradores. A polícia ainda não se pronunciou sobre o caso.

A disputa pelo controle da favela foi o que motivou os confrontos em setembro deste ano na comunidade. O racha entre Rogério 157 e o ex-chefe, o Nem da Rocinha, motivou uma guerra entre as facções criminosas. Desde então, o criminosos tem sido rastreado pelo setor de inteligência da Secretaria de Segurança, que realizou inúmeras operações em várias comunidades cariocas em busca do criminoso.

Rogério 157 foi preso e levado para a Cidade da Polícia, no Jacaré, também na zona norte do Rio.

Comentar

Print Friendly, PDF & Email

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *