Trump decidiu sozinho conversar com Kim, diz secretário de Estado americano

Escrito por
Atualizado: março 9, 2018

China, responsável por 90% do comércio exterior da Coreia do Norte, pede que os dois países tenham ‘coragem política’

O secretário de Estado americano, Rex Tillerson, disse nesta sexta-feira que Donald Trump foi quem tomou, sozinho, a decisão de realizar conversas com o líder norte-coreano, Kim Jong Un. O convite de Kim a Trump, feito por intermédio de emissários sul-coreanos, provocou surpresa, numa oferta que inclui congelar os testes nucleares e de mísseis do regime norte-coreano que deixaram o mundo temeroso de uma guerra com os americanos. Trump disse na quinta-feira à noite estar disposto a encontrar Kim, no que seria a primeira reunião jamais realizada entre líderes dos dois países.

— Esta é uma decisão que o próprio presidente tomou. Eu falei com ele bem cedo nesta manhã sobre essa decisão e nós tivemos uma conversa muito boa — disse Tillerson a repórteres durante visita ao Djibouti, acrescentando que serão necessárias “algumas semanas” para organizar o encontro. — O presidente Trump tem dito por algum tempo que ele estava aberto ao diálogo e que estaria disposto a encontrar com Kim quando as condições fossem propícias — acrescentou.

A abertura demonstrada pelo líder note-coreano Kim Jong-un e sua vontade de discutir seu programa nuclear surpreenderam “um pouco” os Estados Unidos e levaram o presidente Donald Trump a aceitar um encontro, admitiu Tillerson:

— O que mudou foi sua posição, e de uma forma bastante espetacular. E, muito francamente, foi um pouco surpresa para nós que se tenha mostrado tão aberto — indicou o secretário. — Acredito que seja o informe mais positivo que já recebemos não apenas sobre a vontade de Kim Jong-un, mas sobre seu desejo real de dialogar.

‘DIREÇÃO CERTA’

Diante da iniciativa dos líderes de Coreia do Norte e Estados Unidos de se encontrarem em maio, ainda sem local e data exata marcada, a reação pública de países envolvidos na disputa na Península Coreana foi positiva.

Aliados tanto da Coreia do Norte como da Coreia do Sul na Península Coreana se manifestaram positivamente sobre o anúncio do encontro, incluindo Rússia e China, principais sócios comerciais do regime de Kim Jong-un. O ministro de Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, afirmou que a decisão é “um passo na direção correta”:

— Não deve ser apenas um encontro, deve abrir um caminho para retomar um processo diplomático de pleno direito para encontrar uma solução à questão nuclear da Coreia do Norte com base nos princípios acordados durante o Diálogo a Seis e o Conselho de Segurança da ONU — sustentou Lavrov, em referência à série de encontros entre Coreia do Norte, EUA, Rússia, Japão, Coreia do Sul e China entre 2003 e 2005 para lidar com a ameaça nuclear norte-coreana.

A China fez um apelo à “coragem política” de Estados Unidos e Coreia do Norte após o anúncio da reunião entre Trump e Kim. O governo chinês, responsável por 90% do comércio exterior da Coreia do Norte, expressou alívio com a recente aproximação nas relações intercoreanas, depois das ameaças de guerra em sua fronteira proferidas por Pyongyang e Washington.

— Esperamos que todas as partes demonstrem coragem política para tomar as boas decisões — afirmou o porta-voz do ministério chinês das Relações Exteriores, Geng Shuang. — Celebramos o sinal positivo que constitui este diálogo direto entre Estados Unidos e Coreia do Norte. A questão nuclear na península coreana avança na direção correta.

Ao ser questionado se a China tinha a intenção de oferecer o país como sede da reunião Trump-Kim, o porta-voz da diplomacia chinesa se limitou a responder que o país tem um papel “indispensável” para reduzir a tensão.

O convite de Kim Jong-un a Trump veio durante visita à Casa Branca do chefe do Gabinete de Segurança Nacional da Coreia do Sul, Chung Eui-Yong, e do chefe do Serviço de Inteligência Nacional, Su Hoon. Os dois também lideraram a delegação que esteve no último fim de semana em Pyongyang, para um encontro do Kim.

Depois do encontro, os sul-coreanos anunciaram uma cúpula em abril entre Kim e o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, que foi eleito no ano passado com a promessa de promover o degelo nas relações com a Coreia do Norte, congeladas desde 2009. Também anunciaram que Pyongyang estaria disposto a encerrar seu programa nuclear militar, caso tenha garantias de que não será atacada nem que haverá operações de mudança de regime.

 

O Japão, vizinho da Península Coreana que já foi alvo de ameaças norte-coreanas e se localiza dentro do alcance de mísseis do Pyongyang, também se manifestou. O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, também celebrou o anúncio do futuro encontro.

— Eu aprecio enormemente a mudança da Coreia do Norte para começar as conversas sobre a premissa de uma desnuclearização — disse Abe, que planeja viajar aos EUA para conversar com Trump em abril.

— Ele expressou sua intenção de encontrar o presidente Trump o mais breve possível — disse num breve pronunciamento na Casa Branca o chefe do Gabinete de Segurança Nacional da Coreia do Sul, Chung Eui-yong. — O presidente Trump apreciou o cumprimento e disse que encontraria Kim Jong-un em maio para alcançar uma desnuclearização permanente.

FONTE: O GLOBO

 

Comentar

Print Friendly, PDF & Email

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.