Peru não estará isento de protestos enquanto não reduzir desigualdade

Escrito por
Atualizado: novembro 29, 2019

Em discurso, presidente Martín Vizcarra criticou economia de livre mercado de países vizinhos e se mostrou ciente dos problemas dentro do território

O Peru não está isento de protestos sociais e políticos como os que diversos países da América Latina vivenciam enquanto não reduzir a pobreza e combater a corrupção, disse o presidente peruano, Martín Vizcarra, na quinta-feira.

Vizcarra afirmou que a “autêntica” economia de livre mercado que ajuda o desenvolvimento país é aquela que promove e protege os interesses das maiorias, fomentando a competição, e não só os pequenos grupos de poder, em uma crítica aberta a empresários reunidos ao sul de Lima.

“A enorme tensão política que temos vivenciado há vários anos prejudicou o crescimento econômico. Mas a saída institucional e democrática dela, com um chamado para eleições (legislativas) incluídas, reduziu o risco de cair em situações lamentáveis que afetam fortemente muitos países irmãos”, disse Vizcarra.

“Mas devemos deixar claro que esse perigo existe e há questões que precisam ser enfrentadas”, acrescentou.

Cenário político peruano

No Peru, após meses de confronto com a oposição no Congresso, o governo de Vizcarra decidiu dissolver o desacreditado Parlamento e convocou novas eleições legislativas para janeiro de 2020.

“Não se pode conduzir o Peru para um futuro melhor se mantivermos tudo como está ou se continuarmos a cometer os mesmos erros”, disse Vizcarra na reunião de negócios do Conselho Anual de Executivos (Cade), realizada em Paracas, a 260 quilômetros ao sul de Lima.

Vizcarra, que assumiu o poder no ano passado após a renúncia de Pedro Pablo Kuczynski, convocou os empresários a combater a corrupção, no âmbito político e no privado, diante das recentes revelações de que grandes nomes do mundo corporativo contribuíram para campanhas políticas milionárias, hoje sob a lupa de investigações fiscais.

“Não podemos comercializar políticas se pretendemos desenvolver uma verdadeira economia de mercado para todos. Não podemos procurar que os privilegiados continuem mantendo seu status quo! Os peruanos pedem mudanças, juntam-se a eles!”, afirmou.

Os protestos na América Latina

As ruas de países como Chile, Colômbia, Equador e Bolívia são palco de protestos sociais e políticos há várias semanas, principalmente em rejeição às agendas de livre mercado de seus líderes, os quais são culpados pelos manifestantes pelo crescimento da desigualdade na região ou por denúncias de fraude eleitoral.

 

 

FONTE: REUTERS

Comentar

Print Friendly, PDF & Email

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.