EUA limitam dinheiro que cubanos podem enviar a seus familiares

Escrito por
Atualizado: setembro 7, 2019

Moradores só podem enviar R$ 4 mil por trimestre para parentes na ilha e proibiu envio de remessa para pessoas próximas do Partido Comunista

O governo dos Estados Unidos anunciou nesta sexta-feira (6) novas medidas que limitam para US$ 1 mil, cerca de R$ 4 mil, por trimestre a quantidade que os cubanos residentes em seu território podem enviar a seus parentes na Ilha através de remessas.

“A Agência de Controle de Ativos Estrangeiros dos EUA (OFAC, sigla em inglês) está colocando um limite de US$ 1 mil por trimestre que um remetente pode enviar para um cidadão cubano”, afirmou o secretário do Departamento do Tesouro americano, Steven Mnuchin, em comunicado.

Além disso, ressaltou que estão proibidas as remessas a “familiares próximos de funcionários cubanos proibidos e membros do Partido Comunista de Cuba”.

Até então, nem limites, quantidade ou frequência, desde que as remessas para Cuba entraram em vigência no ano de 2014, quando o governo do ex-presidente Barack Obama melhorou as relações com a Ilha, encerrando cinco décadas de hostilidade da Guerra Fria entre os dois países.

No entanto, em diversas ocasiões, o atual presidente Donald Trump classificou esta estratégia de “terrível e equivocada”.

“Estamos tomando medidas adicionais para isolar financeiramente o regime cubano”, afirmou Muchin.

O chefe do Tesouro americano argumentou que seu país “responsabiliza o regime cubano pela opressão do povo cubano e o apoio de outras ditaduras em toda a região, como o regime ilegítimo do (presidente venezuelano Nicolás) Maduro”.

“Através destas emendas reguladoras, o Tesouro está negando a Cuba o acesso a moedas fortes, e estamos freando o mau comportamento do governo cubano enquanto continuamos apoiando o povo sofredor de Cuba”.

No mês de junho, o Governo de Trump proibiu as viagens de cruzeiro para Cuba.

Desde então, os EUA não permitem visitas a Cuba através de embarcações de passageiros e recreativas, incluindo cruzeiros e iates, assim como aviões privados e corporativos.

No entanto, os voos comerciais seguem operando entre os dois países.

FONTE: EFE

Comentar

Print Friendly, PDF & Email

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.