Escândalo nos EUA: Propina garantia mérito para entrar em universidade

Escrito por
Atualizado: março 13, 2019

Pais ricos, incluindo atrizes de Hollywood e operadores financeiros, pagavam fortunas em propinas para garantir vagas para os filhos em universidades

No lugar do mérito das notas ou resultados esportivos, propinas e falsificações. O FBI deflagrou, na última terça-feira (12), sua maior operação contra fraudes em admissões de universidades norte-americanas. No total, 50 pessoas, incluindo as atrizes Lori Loughlin e Felicity Huffman, foram indiciadas pelo esquema, que funcionava desde 2011.

Além dos pais que pagaram milhares de dólares para facilitar a entrada dos filhos nas faculdades, técnicos de algumas das equipes desportivas universitárias mais famosas dos EUA, como Wake Forest, Yale, Stanford e USC (Universidade do Sul da Califórnia), também são acusados de fazer parte do esquema.

“Os pais foram os principais responsáveis pelo funcionamento dessa fraude”, disse o Andrew Lelling, procurador federal do estado de Massachusetts, durante uma coletiva de imprensa. “As verdadeiras vítimas deste caso são os estudantes que se esforçam de verdade, que perderam vagas para alunos menos qualificados que pagaram para entrar.”

Segundo os investigadores, o esquema era comandado por um homem: William Singer, fundador e diretor de um colégio que prepara jovens para as universidades. Entre 2011 e fevereiro desde ano, ele teria recebido cerca de US$ 25 milhões (R$ 95 milhões).

Singer fez um acordo com as autoridades, vai se declarar culpado das acusações e cooperar com a acusação. Ele admitiu que usava sua escola e uma fundação sem fins lucrativos para ajudar estudantes a trapacear em exames e a pagar propinas para conseguir vagas como atletas para eles.

Falsos atletas

A maior parte das universidades norte-americanas exige notas menores para aprovar vagas quando os alunos/atletas são recrutados diretamente pelos técnicos, em comparação com os alunos que tentam entrar sem indicação. Muitos desses treinadores foram subornados por Singer e pelos pais ao longo dos anos.

Para ajudar nisso, o diretor ajudava os pais a criarem retrospectos esportivos falsos para seus filhos, de maneira que eles parecessem atletas de alto nível durante o processo de seleção.

Alguns pais tiravam fotos de seus filhos simulando atividades esportivas, para que elas fossem anexadas aos pedidos de inscrição. Em outros casos, funcionários de Singer chegavam a colar digitalmente o rosto dos filhos em imagens de atletas encontradas na internet.

“Ela precisa ser muito boa”

Em um caso especificado no processo, os pais de uma aluna que tentava entrar na Universidade de Yale pagaram US$ 1,2 milhão (cerca de R$ 4,6 milhões) para que ela fosse aprovada para uma vaga no time feminino de futebol, segundo o New York Times.

A menina, que nunca havia jogado futebol, foi apresentada para a universidade como capitã de um time de futebol da Califórnia, para que ela fosse recrutada para jogar por Yale. O técnico da equipe teria recebido uma propina de pelo menos US$ 400 mil (cerca de R$ 1,5 milhão) para escolhê-la.

“Essa garota vai jogar no meio-campo de Yale, então ela precisa ser muito boa”, escreveu Singer em um e-mail no qual orientava um funcionário sobre como montar o perfil que ela iria apresentar à universidade. Esse perfil foi encaminhado ao técnico do time feminino de Yale, Rudolph Meredith, que a selecionou como aluna mesmo sabendo que ela não jogava.

Fraudes da admissão

Além das propinas e perfis falsos de atletas, o esquema de Singer envolvia fraudes de exames de admissão como o SAT. Os pais pagavam de US$ 15 mil a US$ 75 mil (R$ 57 mil a R$ 586 mil) por prova.

Quando os valores eram pagos, os funcionários subornados ajudavam os alunos a colar, entregavam respostas corretas, corrigiam as provas antes que eles as entregassem e até mesmo deixavam que pessoas se fazendo passar pelos estudantes fizessem as provas no lugar deles.

Pelo menos um pai, William McGlashan Jr., sócio de um dos maiores fundos de investimentos do mundo, foi orientado por Singer a dizer que seu filho tinha deficiência de aprendizado, para que ele pudesse fazer a prova de admissão sozinho e em dois dias ao invés de um.

Segundo os promotores, McGlashan recebeu instruções para dar uma razão falsa para colocar seu filho para fazer a prova em um dos dois locais de prova onde Singer tinha acordo com funcionários. Um ficava em Houston e outro em Los Angeles. O estudante não sabia do esquema, de acordo com os documentos.

“Entrada lateral”

Em uma ligação interceptada pelo FBI, um cliente em potencial, diretor de um grande escritório de advocacia dos EUA, pergunta a Singer se o esquema funcionava bem. Ele então responde que cerca de 800 famílias já teriam utilizado seus serviços.

“O que fazemos é ajudar as famílias mais ricas do país a colocar seus filhos na faculdade. Elas querem garantias, querem que as coisas sejam resolvidas. Tem a porta da frente, para entrar por conta própria. A porta dos fundos são as doações institucionais, que são 10 vezes mais caras. Eu criei essa entrada lateral”, explica Singer.

FONTE:  R7.COM

Comentar

Print Friendly, PDF & Email

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.