Interessante

Suspeito de espionagem, navio russo deixa o Brasil um dia antes do previsto

O navio foi identificado no dia 10, na costa brasileira, mas logo depois “sumiu” do radar, e só reapareceu no dia 16, perto de uma área de cabos submarinos de internet

Suspeito de espionagem nos portos internacionais, o navio oceanográfico e de pesquisa russo Yantar deixou, no começo da noite desta sexta-feira, 21, o Rio de Janeiro, onde estava desde terça-feira, 18, com destino a Lisboa. A informação foi confirmada pela Marinha, que passou os últimos dias em alerta devido à presença da embarcação na Zona Econômica Exclusiva (ZEE) do Brasil.

O navio tinha autorização para ficar até o dia 22 no País, mas foi embora antes.O Centro Integrado de Segurança Marítima do Rio de Janeiro identificou o navio no dia 10, na costa brasileira, mas logo depois a embarcação “sumiu” do radar, e só reapareceu no dia 16, perto de uma área de cabos submarinos de internet, a 80 quilômetros do Rio. Dois dias depois, o Yantar atracou no porto da cidade.

Em reportagem do Estado, fontes militares levantaram a hipótese de que o equipamento AIS, que permite a localização do navio, pode ter sido desligado. Por meio de nota divulgada após a saída do Yantar, a Marinha informou que a autorização de estadia do navio no Brasil foi solicitada pela Adidância Militar da Rússia, e seguiu os protocolos vigentes para a movimentação de embarcações de guerra e de Estado estrangeiros nas Águas Jurisdicionais Brasileiras (AJB). “Por suas características, o referido navio é acompanhado pela Marinha do Brasil, durante todo o trânsito nas AJB”, destacou o comunicado. “Tal procedimento é adotado pela MB para todos os navios de interesse navegando por nossos mares e rios.”

A identificação e os primeiros contatos com o Yantar foram feitos por meio de equipes de patrulha em avião da Força Aérea Brasileira e helicóptero do Marinha. Na nota, a força destacou que o acompanhamento de navios e plataformas em trânsito e operação no litoral do País é feito 24 horas por dia, com o emprego de lanchas, navios e aeronaves. A embaixada da Rússia no Brasil não comentou sobre a presença do navio no País.

FONTE: Estadão Conteúdo

Comentar

Print Friendly, PDF & Email
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com