Geral

Tarifa branca começou a valer para clientes de baixa tensão

tarifa branca ficou disponível este ano para os consumidores de energia elétrica de baixa tensão, mas ainda não teve grande aderência no Rio — mesmo entre aqueles que desde 2018 já podiam optar por essa modalidade. Isso porque ao mesmo tempo em que reduz o valor cobrado nos horários fora de pico, essa tarifa também torna mais caro o consumo nos períodos do dia em que há mais pessoas usando eletricidade. Para especialistas, o ideal é que o consumidor observe seu perfil e faça as contas para verificar se há vantagens em aderir ao novo modelo.

Segundo Tatiana Lauria, especialista em Estudos Econômicos da Firjan, um consumidor que aderir à tarifa branca poderá ter uma redução de cerca de 19% na sua conta. Por outro lado, se ele consumir no momento de pico, sua tarifa irá quase dobrar de valor, podendo ter em média um aumento de 87%.

— Essa medida é um avanço porque possibilita que o consumidor avalie como consome energia. O Rio de Janeiro tem a tarifa mais cara do país, em função do ICMS e do roubo de energia, então essa é uma oportunidade de reduzir. Mas é importante verificar se é possível diminuir o uso dos equipamentos que consomem mais nos horários de ponta — avalia.

Dono do Meza Bar, em Botafogo, Fernando Blower conta que o horário de mais movimento no estabelecimento é justamente à noite, quando a tarifa branca é mais cara. Por isso, para ele, a tarifa convencional é mais vantajosa.

— Para alguns estabelecimentos pode ser interessante, mas tem que fazer conta. No Centro é comum ter restaurantes que funcionam só durante o dia, e aí pode compensar. Mas, mesmo assim, há equipamentos de refrigeração que ficam ligados 24 horas e gastam muito — diz.

Adesão foi de 0,05%

Até o momento, cerca de 1.500 consumidores da Enel Rio aderiram à tarifa branca. A distribuidora atende a 2,9 milhões de clientes no Rio, de modo que o percentual de consumidores que optaram pela modalidade é de apenas 0,05% do total. A Light não informou quantos clientes resolveram adotar a tarifa.

Consultor de Negócios da Safira Energia, Josué Ferreira aponta que a modalidade “não pegou” por ter sido oferecida de forma escalonada:

— A aplicação começou em 2018 para um público bem restrito, que consome acima de 500 kWh por mês. Depois, em 2019, para clientes com consumo mensal acima de 250 kWh. Agora, com a abertura para os consumidores de baixa tensão, como boa parte das residências e pequenos comércios, começa a ter uma perspectiva de ampliação.

Atenção aos aparelhos com maior gasto

Ao considerar uma mudança para a tarifa branca, o consumidor deve ter em mente que precisará deslocar o uso dos equipamentos que mais consomem energia para o período da manhã e início da tarde. Ou então após as 22h30, no caso da Light, e 22h, da Enel Rio. Isso inclui, por exemplo, o uso de ar-condicionado, chuveiro elétrico, máquina de lavar roupas, ferro de passar e secador de cabelos, que são os grandes vilões da conta de luz.

— Além disso, o consumidor deve considerar que durante o período de férias da escola ou do trabalho, por exemplo, provavelmente a conta de luz irá aumentar mais do que o normal, já que haverá mais consumo nos horários de ponta — afirma o professor Ricardo Macedo do Ibmec/RJ.

O consumidor não poderá suspender a tarifa branca enquanto estiver de férias ou em nenhum outro período. Segundo Josué Ferreira, da Safira Energia, a própria regulamentação foi feita para que isso não ocorresse.

— Se a pessoa tiver aderido à tarifa branca e quiser voltar à convencional precisa esperar 30 dias. E, depois, se quiser retornar à modalidade, terá que esperar seis meses — explica o consultor.

Aos fins de semana, porém, a tarifa branca mais baixa vale durante todo o dia. Isso porque a maior parte das indústrias, que são as maiores consumidoras de energia, não funciona nesses dias, por isso não há necessidade de deslocar o consumo.

Como aderir

A migração para a tarifa branca pode ser solicitada na agência virtual da Light (www.light.com.br), pelo 0800-282-0120 ou nas agências comerciais da empresa. A adesão requer a troca do medidor, que será feita em até 30 dias da data de solicitação e sem custo para o cliente. No caso da Enel, o consumidor pode solicitar a adesão por meio do 0800-280-0 120 ou dos canais disponíveis em www.enel.com.br.

Cancelamento

O retorno à modalidade de tarifa convencional será executado em até 30 dias. Nestes casos, uma nova adesão à tarifa branca somente poderá ser feita novamente em 180 dias.

Bandeiras tarifárias

A tarifa branca não tem relação com as bandeiras tarifárias, que são sempre repassadas ao consumidor final, de acordo com as condições de geração de energia elétrica no país.

FONTE: EXTRA

Comentar

Print Friendly, PDF & Email

Publicidade