Geral

Pix entra em operação na próxima 3ª feira para público reduzido

Sistema para pagamento instantâneo,  Para todos, só em 16 de novembro

O Pix, sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central, vai entrar em operação na próxima 3ª feira (3.nov.2020) para parte dos clientes. Inicialmente, os horários para fazer as operações serão reduzidos.

No período de 3 a 8 de novembro, 1 grupo de 1% a 5% da base de clientes cadastrada no Pix poderá fazer os pagamentos instantâneos. As operações serão permitidas de 9h a 22h.

Os 6 dias servirão para testar a nova ferramenta digital, que estará disponível nas plataformas de 762 instituições financeiras a partir de 16 de novembro para todos os clientes. O processo de adesão de instituições ao Pix foi encerrado na 6ª feira (16.out.2020), com a conclusão das etapas cadastral e homologatória. Eis a lista (854 KB).

Depois do período de testes, até 15 de novembro, o Banco Central deve ampliar o número de clientes com acesso à plataforma.

Do dia 9 até o 15, o BC avaliará a ampliação do número de clientes se os resultados forem bons. Nas duas quintas e sextas-feiras desse período, as operações com o Pix funcionaram sem limitação de horário.

O PIX

O sistema vai acelerar a operação de uma nova modalidade de pagamento: o Pix, que será em tempo real e estará disponível a partir e 16 de novembro.

A tecnologia estará acoplada nos canais de atendimento e plataformas dos bancos e de outras instituições financeiras, como aplicativos e internet banking. O Pix vai permitir que o dinheiro fique disponível na conta do destinatário em até 10 segundos, inclusive nos finais de semana e horário não comercial.

A nova forma de pagamento vai concorrer com os boletos e os cartões de crédito e débito. Também deve tornar obsoletas outras modalidades de transferência entre contas, como o TED e o DOC, que têm tarifas elevadas e demoram para cair na conta de quem recebe o dinheiro.

O custo do Pix será zero na maioria dos casos das pessoas físicas. O consumidor pode fazer pagamentos pelo app da instituição financeira ou pelo internet banking sem pagar nenhuma tarifa pelo serviço. Só as operações realizadas em caixas eletrônicos ou por ligação telefônica podem ter custo. Há também possibilidade de cobrança à pessoa física que recebe muitos pagamentos por mês, possivelmente associada com a venda de produtos ou serviços. Essa cobrança vai acontecer porque as instituições financeiras estão liberadas a cobrar tarifas de pessoas jurídicas. Os preços serão livremente estipulados pelo mercado, mas há bancos que anunciaram a gratuidade do serviço.

O Pix não é 1 aplicativo à parte e estará acoplado nas plataformas das instituições financeiras. A partir de 16 de novembro, a opção de uso do pagamento instantâneo estará disponível nas plataformas dos bancos e principais instituições financeiras.

Todas as empresas do setor financeiro com mais de 500 mil clientes vão ter a modalidade de pagamento disponível, incluindo fintechs e cooperativas de crédito. Portanto, para usar o Pix, é necessário uma conta em alguma instituição de pagamento.

E, para viabilizar a transação é preciso ter recursos disponíveis na conta –não é possível pagamento em crédito. Também não é necessário a Chave Pix para fazer as operações, mas facilita. Conheça as principais características da nova modalidade.

O QUE O PIX TRAZ DE NOVO

O Pix é uma forma de pagamento nova que estará disponível para operação 24 horas por dia e nos 7 dias da semana. O destinatário recebe o valor transferido instantaneamente, seja pessoa física ou jurídica.

Qualquer pessoa física ou jurídica que tenha conta corrente, conta poupança ou conta de pagamento pré-paga pode utilizar o Pix. A forma de pagamento será disponibilizada pelos bancos nos canais de atendimento, mas foi criada para ser utilizada principalmente em smartphones. As operações só são feitas quando o pagador está conectado à internet. Em 2021, há previsão de que seja possível transações off-line.

A principal vantagem do Pix será sobre os modelos de transferência entre contas bancária, como o TED e o DOC. Nestas opções, o dinheiro fica disponível para o destinatário depois de horas ou só no dia útil seguinte, no caso do DOC. Também são operações que custam de R$ 8 a R$ 18 cada, segundo o Banco Central. Ao fazer o pagamento pelo Pix, a pessoa física não será cobrada nos aplicativos ou internet banking.

O Pix também pode deixar o boleto obsoleto, principalmente para os consumidores que pretendem comprar no e-commerce com desconto e sem uso do cartão de crédito. No boleto, o dinheiro transferido só estará disponível no dia útil seguinte para o destinatário.

Também vai concorrer com os cartões de débito e crédito. O Pix tem vantagem de ser mais rápido para o destinatário na opção débito. Além disso, bancos não podem cobrar tarifas de anuidade como fazem no cartão de crédito.

A nova forma de pagamento deve prejudicar a remuneração de empresas intermediárias, como as maquininhas. Entre elas, Cielo, Rede, Getnet, Stone e outras.

O comerciante pode optar por aceitar transações só pelo Pix diante da comodidade, apesar de os cartões de crédito e débito serem amplamente utilizados como forma de pagamento. O Pix também pode reduzir os ganhos financeiros de empresas de bandeiras bancárias, como Visa e Mastercard.

Qualquer transação de pagamento pode ser feita pelo Pix independente do tipo de produto ou serviços comprados. Assim como outras formas de pagamentos, a modalidade também estará sujeita a limites de valores, que serão estabelecidos pelas instituições financeiras. Pode ser por quantidade de transações, de dias ou mês.

Os limites devem estar baseados em critérios do sistema bancário para mitigar o riscos de fraudes ou infração à legislação, como, por exemplo, lavagem de dinheiro. Os bloqueios, porém, não podem penalizar o consumidor ou comprometer o uso do novo sistema.

CHAVES PIX

As Chaves Pix são como apelidos dados para a conta do usuário, que não terá mais que informar todos os dados bancários necessários para uma transação com TED ou DOC, por exemplo.

A chave pode ser o número do CPF ou do CNPJ, um e-mail, um número de telefone ou uma sequência aleatória de letras e números. No último caso, o destinatário do pagamento não fornece nenhuma informação pessoal.

O Pix vai permitir que, só com uma dessas informações, o pagador consiga encontrar a conta do destinatário no aplicativo do banco. Cada conta pode ter várias chaves associadas, mas uma chave não pode se direcionar a contas diferentes.

Eis 1 exemplo de como o consumidor pode fazer a separação:

  • número de telefone vinculado à conta corrente do banco X;
  • CPF vinculado à conta poupança do banco Y;
  • e-mail vinculado à conta de pagamento da instituição Z.

A pessoa pode optar por vincular todas as chaves a uma mesma conta, mas há o limite de 5 chaves para pessoa física e 20 para pessoa jurídica.

Mas a Chave Pix não é obrigatória. Ela facilita para que o destinatário não tenha a necessidade de informar todos os dados bancários. Se preferir não ter a chave, conseguirá fazer a transferência ou pagamento da mesma forma.

FONTE: PODER 360

Comentar

Print Friendly, PDF & Email
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com