Em livro, Janot diz que novo procurador-geral Augusto Aras queria ser ministro do STF

Escrito por
Atualizado: outubro 1, 2019

Obra será lançada na próxima 2ª,  Aras teria ficado chateado com Janot, Ex-procurador-geral apoiou Eugênio Aragão

Em livro de memórias a ser lançado na próxima 2ª feira (07.out.2019), o ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou que o atual ocupante do cargo, Augusto Aras, queria ser ministro do STF (Supremo Tribunal Federal).

De acordo com Janot, o então subprocurador-geral Augusto Aras teria ficado chateado com ele por não ter recebido apoio para chegar à Corte. Janot apoiou seu vice procurador-geral eleitoral, Eugênio Aragão, conforme relato no livro.

A vaga disputada tinha sido deixada pelo ex-ministro Joaquim Barbosa –e não foi ocupada por nenhum desses dois pretendentes. O escolhido foi o então advogado paranaense Edson Fachin, atual relator da Lava-Jato no Supremo. Na página 220 da obra, que tem 255 no total, Janot afirma:

“Acho que Aragão não gostou de ter sido preterido. Como se não bastasse, o subprocurador-geral Augusto Aras, com quem eu mantinha uma relação amistosa, ficou chateado comigo. Ele, que também queria ser ministro, acha até hoje que só não está no Supremo porque, em vez de declarar apoio a ele, eu endossei a candidatura de Aragão.”

A afirmação de Janot aconteceu num contexto em que ele explicava ter sido sondado, em 2015, para uma cadeira na Corte. No entanto, o ex-procurador-geral disse não ter interesse no cargo, apesar de respeitá-lo. Janot diz que foi convidado novamente para o STF sob o governo do ex-presidente Michel Temer.

 

FONTE: PODER 360

Comentar

Print Friendly, PDF & Email

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.