Candidato à lista-tríplice da PGR trocou mensagens com suposto hacker da Lava Jato

Escrito por
Atualizado: junho 14, 2019

Invasor se passou por integrante do CNMP, Também mandou mensagem em grupo

O procurador regional José Robalinho Cavalcanti, ex-presidente da ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República) e 1 dos candidatos à lista-tríplice de onde costuma sair o novo procurador-geral da República, trocou mensagens na noite de 3ª feira (11.jun) com o suposto hacker que, nas últimas semanas, estaria atacando procuradores da Lava Jato. A informação foi divulgada em reportagem da revista Época, nesta 4ª feira (12.jun.2019).

No último domingo (9.jun.2019), o site The Intercept divulgou uma série de reportagens que mostram uma troca de mensagens entre Moro, que, à época, era juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba, e o procurador e coordenador da força-tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol, sobre a operação. A Polícia Federal investiga a invasão.

Nas conversas, Moro orienta ações e cobra novas operações dos procuradores. De acordo com o portal, as mensagens foram repassadas por uma fonte anônima.

Na noite de 3ª, Robalinho recebeu uma mensagem no aplicativo Telegram de uma pessoa que se passou por Marcelo Weitzel, que foi procurador-geral da Justiça Militar e atualmente integra o CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público), que, aliás, investiga Dallagnol por conta das conversas com Moro.

De acordo com a reportagem, o suposto hacker teria enviado a Robalinho 1 áudio trocado entre procuradores da Lava Jato e informou que o conteúdo compartilhado com o procurador sairia em breve na imprensa. Na avaliação de Robalinho, o intuito do invasor era fazer com que ele se manifestasse a respeito da gravação.

À revista Época, o procurador disse ter respondido apenas “tecnicamente”. Até o momento, ele não havia percebido que se tratava de 1 hacker.

“Não havia nada demais no áudio. Respondi tecnicamente, explicando a quem eu pensava ser Weitzel”, disse.

Depois de diversas tentativas, sem sucesso, de extrair uma opinião de Robalinho, a pessoa admitiu não ser o procurador Weitzel, mas, sim, 1 hacker.

“Não sou o Marcelo. Sou o hacker. Quer falar comigo?”, perguntou o invasor, segundo a reportagem.

A pessoa também afirmou que trabalha sem nenhuma razão política e que teve “acesso a tudo”, mas sem revelar a que conteúdo se referia.

“Eu não tenho ideologias, não tenho partidos, não tenho lado, sou apenas um funcionário de TI [tecnologia da informação]”, escreveu o suposto hacker.

Depois do ocorrido, ainda segundo a revista Época, Robalinho encerrou a conversa e telefonou, imediatamente, para Weitzel.

Poder360 tenta contato com Robalinho e Weitzel.

MENSAGENS A OUTROS INTEGRANTES DO MP

Também através do número do procurador Marcelo Weitzel, foi enviada uma mensagem no grupo do CNMP no Telegram. A informação é do jornal O Estado de S.Paulo.

De acordo com o Estadão, uma das mensagens dizia que o caso revelado pelo jornal The Intercept foi apenas “uma amostra” do que os conselheiros verão “na semana que vem”.

O hacker enviou outra mensagem dizendo: “aqui é o hacker”. Nesse momento, segundo a reportagem, os colegas então ligaram para Weitzel, que argumentou não estar usando o celular no momento em que as mensagens foram enviadas.

A reportagem ainda diz que a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pode ser uma das integrantes do grupo do Telegram que o hacker enviou a mensagem. Dodge preside o colegiado –que usa o chat de forma institucional para agendar datas de julgamentos e trocar opiniões.

FONTE: PODER 360

Comentar

Print Friendly, PDF & Email

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.