Aras defende reabertura do caso Adélio; ‘Ainda é tempo de buscar a verdade sobre o atentado’ a Bolsonaro

Escrito por
Atualizado: outubro 2, 2019

Procurador-geral da República disse não acreditar que autor do crime tenha agido sozinho

procurador-geral da República , Augusto Aras, defendeu o aprofundamento das investigações do atentado contra presidente Jair Bolsonaro e de seu autor, Adélio Bispo de Oliveira — homem que atacou o então candidato à Presidência durante a campanha eleitoral, em setembro do ano passado. Aras afirmou não acreditar na tese de que o agressor agiu sozinho. As declarações do novo PGR foram dadas em entrevista ao jornal “O Estado de S. Paulo”, publicada nesta quarta-feira.

O procurador, que toma posse para um mandato de dois anos nesta quarta-feira, disse que as características do ataque apontam que ação não foi “um mero surto de quem quer que seja”. Aras defendeu a reabertura das investigações sobre o caso.

“O uso de arma branca, a suspeita de copartícipes na multidão, a tentativa de confundir as apurações com a entrada de pessoas com o mesmo nome na Câmara, o surgimento de advogados que não foram contratados por alguém conhecido são elementos que precisam ser investigados. Ainda é tempo de a Polícia Federal, do Ministério Público Federal, atuando em conjunto, buscar a verdade real do atentado”, disse ao jornal.

Preso na Penitenciária Federal de Segurança Máxima de Campo Grande (MS), Adélio foi considerado inimputável pela Justiça , em julho deste ano, por sofrer de distúrbios mentais. No primeiro inquérito sobre o caso, a PF não encontrou nenhum indício de que o autor do atentado tenha agido a mando de uma segunda pessoa.

Ainda em entrevista ao “Estado de S. Paulo”, Aras disse ter um encontro marcado com o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) para discutir a participação da Procuradoria-Geral da União no inquérito aberto das fake news.

FONTE: O GLOBO

Comentar

Print Friendly, PDF & Email

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.