Extra

Ronaldinho completa 4 meses preso sem perspectiva de voltar ao Brasil

Após ser detido com documento irregular, ex-jogador vive em hotel de luxo no Paraguai. R10 já tirou foto com presos, participou de live e segue isolado

Ídolo do Barcelona, mestre do futebol e reconhecido mundialmente por seus sorrisos, o ex-jogador Ronaldinho Gaúcho marcou uma geração de apaixonados por futebol. Hoje, os torcedores observam R10 com um semblante mais entristecido ao completar quatro meses preso em Assunção, no Paraguai. O craque bate a marca sem ter nenhuma perspectiva de volta para o Brasil.

Em abril deste ano, Ronaldinho e seu irmão Assis chegaram ao país para compromissos e negócios. Segundo as investigações feitas pela Justiça do Paraguai, os agentes do aeroporto teriam identificado irregularidades desde a sua chegada ao local, mas preferiram não abordar o carque devido ao grande número de fãs que foram ao aeroporto.

Precisou explicar a ilegalidade

Poucos dias depois, R10 e seu irmão foram chamados pela Justiça para se explicarem. As investigações indicam que eles poderiam estar envolvidos em um grande esquema ilegal paraguaio de documentos e que, por isso, eles a decisão é que o “bruxo” deveria seguir preso no país para não atrapalhar as investigações.

Camisa 10 do tima da prisão

Ronaldinho, neste meio tempo, mostrou seu talento em peladas na prisão, jogou futevôlei com colegas de prisão, tirou foto com político corrupto e chamou a atenção do mundo pela situação. Depois de ter pedidos recusados, ele foi liberado para seguir em prisão domiciliar no país.

Mais um mês sem resposta

O local escolhido foi um hotel de luxo. Em isolamento por conta da pandemia de coronavírus, que é tratada como assunto “controlado” no Paraguai, e ainda aguardando novas decisões, R10 amanhece com quatro meses de detenção no país sem novidades.

Os torcedores se questionam o que aconteceu realmente com o ex-atleta. Neste meio tempo, o cantor Leonardo pediu que o gaúcho fosse liberado da detenção, Rivaldo lamentou a fase obscura e Maradona pediu a contratação do ex-camisa 10 da seleção. Além disso, a Justiça paraguaia, que paralisou seu trabalho por conta da pandemia, não deve regressar no momento para decidir a situação do craque.

FONTE: LANCE

Comentar

Print Friendly, PDF & Email
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com