Corinthians não mostra evolução em amistosos e liga o alerta para a volta do Brasileirão

Escrito por
Atualizado: julho 8, 2019

Veja balanço de como foi o desempenho do Timão nos três jogos e das mudanças promovidas pelo técnico Fábio Carille

O fim do tão esperado período de pausa para a disputa da Copa América não trouxe ao Corinthians evolução no futebol em relação ao primeiro semestre. Nos três amistosos disputados pelo time do técnico Fábio Carille sobraram erros e velhos problemas.

Desde a reapresentação do elenco após os dez dias de folga, em 24 de junho, alguns percalços tiraram o sossego do treinador, como os inúmeros desfalques. O meia Régis, autor de dois gols em três duelos, foi um dos poucos destaques, embora ainda desentrosado.

No período, o Timão perdeu para Botafogo-SP e Londrina e venceu o Vila Nova. Abaixo, o Globoesporte.com faz um levantamento de como foi o período de intertemporada do Corinthians.

Régis ganha sequência

Uma das poucas mudanças significativas do período de pausa foi a entrada do meio-campista Régis no time titular nos dois primeiros jogos e com bom desempenho no duelo contra o Londrina. Até então, no primeiro semestre, o camisa 20 tinha apenas três partidas disputadas.

Pouquíssimo usado em jogos oficiais, ele desbancou o equatoriano Sornoza, líder de assistências do elenco (nove passes para gol). Titular nos amistosos contra o Botafogo-SP e Vila Nova e autor do gol da vitória sobre a equipe goiana, Régis foi uma espécie de amuleto para Carille.

Armador de origem, o meio-campista atuou em sua posição contra o time de Ribeirão Preto, mas foi deslocado à ponta direita contra o Vila, dando a Pedrinho a missão de criar as jogadas de ataque. Ele fez, nos acréscimos, o gol da vitória sobre o os goianos depois de deixar a equipe e retornar para substituir Janderson.

Contra o Londrina, Régis entrou no segundo tempo e fez seu melhor jogo. Foi o único gol da partida, em chute no canto direito do goleiro.

Desfalques atrapalham os planos

Fábio Carille foi à sala de imprensa do Corinthians uma única vez neste período de pausa. Na entrevista, deixou clara sua insatisfação com os inúmeros desfalques. Em 28 de junho, o técnico disse que estava vendo um time “estacionado”, sem poder fazer testes e encontrar variações táticas no ataque. De lá para cá, pouquíssima coisa mudou.

Contra o Londrina, Jadson, Ramiro, Gustagol, Michel e Everaldo seguiram fora. A dupla Everaldo e Clayson era vista como peça-chave para a evolução do time, mas não foi testada. O time seguiu chutando pouco a gol e incomodando pouco o adversário. Faltou criatividade do meio para frente. Atrás, a defesa também vacilou. O Corinthians sofreu gols em todos os jogos.

Na ideia da preparação física, Carille poderia deixar o time principal mais tempo em campo no último jogo. O treinador, porém, mudou todo o time entre os tempos nos três jogos – Bruno Méndez não foi trocado no intervalo contra o Botafogo-SP, mas saiu pouco depois.

Os desfalques no período:

  • Fagner e Cássio (seleção brasileira)
  • Renê Jr (reta final da transição física após lesão no joelho esquerdo)
  • Jadson (dores musculares)
  • Ramiro (dores na coxa direita)
  • Gustagol (incômodo na coxa direita)
  • Michel (contratura muscular na coxa direita)
  • Everaldo (poupado)

Clayson foi titular contra o Londrina — Foto: Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Mas por que a insistência por Clayson e Everaldo?

Na visão de Carille, são os dois jogadores capazes de darem profundidade ao time. Na prática, a profundidade ofensiva desejada pelo treinador é fazer com que o Corinthians se aproxime mais da área adversária e use melhor os espaços no ataque, principalmente pelas pontas.

No caso específico de Clayson e Everaldo, Carille gostaria de testá-los juntos, em constante movimentação pela esquerda. Neste cenário, Everaldo atuaria bem aberto pela ponta, com Clayson chegando mais pelo meio, jogando atrás do centroavante, chamando a atenção da marcação e podendo gerar mais chances reais de gol.

Vagner Love, mais pesado do que a dupla, e Mateus Vital, com características de meia, não atendem às expectativas do treinador sobre a tal profundidade. Contra o Londrina, apenas Clayson foi testado como meia. Não funcionou, já que o jogo não encaixou com Love aberto.

Vagner Love e Carille conversam durante jogo do Corinthians — Foto: Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Estreantes e destaques

Em todos os jogos, Carille usou todos os jogadores relacionados. Contra o Botafogo-SP, foram 23. Contra o Vila Nova e Londrina, 22. Com isso, sete jogadores estrearam com a camisa do Corinthians, cinco deles das categorias de base. O volante Matheus Jesus ganhou chance, depois de ser contratado junto ao Estoril, de Portugal, por ter se destacado no Oeste no Paulistão, e foi titular contra o Londrina.

Se os garotos dificilmente emplacarão sequência no time de cima no segundo semestre, Matheus passa a ser opção para o meio-campo. O volante tem a possibilidade de atuar na vaga de Ralf e também na de Júnior Urso. Gabriel, recuperado após cirurgia para a correção de uma desinserção do tendão adutor da perna direita, também ganhou chances.

O destaque fica para Bruno Méndez. O uruguaio se firmou como boa opção para o treinador. Atuou improvisado nos três jogos na lateral direita e deu conta do recado. Não será surpresa se despontar com opção para formar a zaga ao lado de Gil em um futuro breve.

Bruno Méndez foi um dos destaques do Corinthians  — Foto: Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Os estreantes:

  • João Victor (zagueiro)
  • Lucas Belezi (zagueiro do sub-17)
  • Daniel Marcos (lateral-direito do sub-20)
  • Matheus Jesus (volante)
  • Matheus Araújo (meia do sub-17)
  • João Celeri (atacante do sub-20)
  • Igor (zagueiro do sub-23)

Dança das cadeiras na zaga e outras saídas

Um dos setores a sofrer mais modificações na pausa foi a zaga. Embora Manoel e Henrique sigam como os titulares do time, a contratação de Gil certamente tirará o sossego de um dos dois.

Méndez deve se tornar o reserva de Manoel no segundo semestre (ou de Gil, caso o novo contratado mude de lado), e vai brigar por posição. Afinal, Marllon foi emprestado até o final do ano ao Bahia. O volante Richard foi outro a sair, após acerto de seis meses com o Vasco. O atacante Sergio Díaz teve seu contrato rescindido.

FONTE: GLOBOESPORTE.COM

Comentar

Print Friendly, PDF & Email

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.