Em Linhas Gerais

No governo, Marcos Rocha é mais do que um estorvo para o estado – Por Gessi Taborda

FILOSOFANDO

“Meus filhos nunca gozaram de um privilégio que eu tive: nascer pobre”. KIRK DOUGLAS, Nascido  Issur Danielovitch Demsky, em 9 de dezembro de 1916, nos Estados Unidos. Morreu no último dia 5, com 103 anos. Foi uma das últimas estrelas vivas da Era de Ouro do Cinema Americano. Douglas é amplamente considerado um dos melhores atores da história do cinema.

EDITORIALZIM

Não é com alegria que vi a confirmação dos pontos de vista defendidos pela coluna em relação ao péssimo governo rondoniense do coronel Marcos Rocha.

Mas foi exatamente isso o que ocorreu no episódio em que o próprio governo desse nosso jovem e promissor estado brasileiro demonstrou para o país inteiro sua enorme mediocridade, ao se apresentar como inimigo da literatura, convalidando um ato de sua secretaria de Educação, que determinou a retirada de títulos da literatura da rede de ensino.

O Torquemada do governo incluiu obras clássicas da literatura brasileira e mundial na lista dos condenados.

A absurda decisão da mediocridade governamental jogou na fogueira 43 títulos com obras de Machado de Assis a Franz Kfka. Essa ação do governo Marcos Rocha ganhou, como não podia deixar de ser, o noticiário da grande mídia e mais uma vez o estado foi humilhado como nunca no seio da intelectualidade brasileira.

A decisão do governo (que voltou atrás) mostrou claramente que Marcos Rocha não é apenas um estorvo para o desenvolvimento rondoniense.

Insistindo em manter do seu lado a nata da mediocridade rondoniense como seus principais assessores, o governador eleito na enxurrada do bolsonarismo torna-se um vilão perigoso para as melhores aspirações da população do estado.

E nesse acontecimento uma outra face lamentável do governo ficou à mostra: uma espécie de radicalismo ou de temor com os nichos reacionários do seu “staff”. Só isso explica o governo não ter tomado uma decisão imediata de afastar de seu convívio os titulares das pastas da Educação e Comunicação, ambos diretamente responsável por jogar mais uma vez no lixo o que ainda restava de positivo na imagem do estado de Rondônia.

E se não reagir nessa semana contra essa ofensiva antiliterária e anticultural Marcos Rogério vai continuar, politicamente, vivendo em apuros enquanto estiver à frente da gestão do estado.

É claro que o governador rondoniense não entende bulhufas de literatura. Na verdade não entende nada – como se vê até agora – de gestão pública complexa. Admitir controles e censuras como a proposta pelo seu secretário de Educação é demonstrar a felicidade com um confronto intolerável, imaginando ser capaz de acabar com a literatura e com as aspiração da cidadania mais decente.

Em Rondônia o mal se manifesta não nos livros mas no próprio governo que adota essa prática de barbárie e perseguições. Até agora o coronel Marcos Rocha, marinheiro de primeira viagem (primeiro mandato) na política, era apenas mais um personagem insosso que após mais de um ano no cargo não apresentou nenhum projeto para melhorar o índices do desenvolvimento econômico, político e social de Rondônia. Agora ganhou os contorno de inimigo da liberdade ao negar-se a exterminar (exonerar) os demônios que em seu governo agem como “Torquemada”.

RETORNO

Esta semana os deputados da Assembleia Legislativa rondoniense voltam à rotina normal da Casa, com o fim do recesso. O recesso dura um longo tempo. Mas é mascarado principalmente pela enorme produção de matérias do Departamento de Comunicação, especialista em dar a falsa ideia de que deputados estão em plena atividade.

Atividade, digamos, sem nenhuma relevância. Esse mesmo departamento de comunicação não noticiou nada sobre o turismo de quase uma dezena de deputados ao Rio Grande do Sul, com a desculpa de que foram ver de perto uma Exposição agropecuária dos pampas.

RESSACA

O primeiro escalão do parlamento agraciado com a agenda parlamentar do recesso volta essa semana com cara de ressaca mas esperançoso. É que no final desse mês tem um ótimo feriadão, o de carnaval, com quatro dias e meio de folga se contar o final de semana. Muitos que curtiram o recesso (como alguns deputados) vão emendar mais uns dias de folga, pois ninguém é de ferro.

CONSELHO

Com a festa de Momo, você que vai depender de serviços públicos não agende, para não ter aborrecimentos,  nada entre os dias 24 e 28 de fevereiro.

VAI ESPERAR

A reforma administrativa do governo federal que deve acabar com a estabilidade para os novos servidores pode acabar ficando para 2021, tudo porque este é um ano eleitoral e os políticos não querem se indispor com a categoria.

PODE APOSTAR

O fim da estabilidade já é dada como favas contadas em Brasília e o mesmo deve acontecer com os servidores estaduais e municipais, sejam quem forem os governantes.

ENXAME

Já ultrapassa 8 o número de pré-candidatos à Prefeitura de Porto Velho. Quem sorri de orelha a orelha com isso é o prefeito Hildon Chaves (PSDB), que enquanto gestor não se espera que ele tenha menos de 30% dos votos.

GREVE

Uma fonte bem informada disse que funcionários dos Correios planejam paralisar as atividades na próxima quarta-feira, 12, por tempo indeterminado. Eles pretendem denunciar o que consideram “um desmonte da empresa” para facilitar a privatização. Segundo a fonte, os funcionários dos Correios estão irritados com a cobrança maior dos trabalhadores quanto a coparticipação no custeio do plano de saúde da categoria.

LEÃO

A Receita Federal abre nessa segunda, dia 10, a consulta ao lote residual de restituição multi-exercício do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física (IRPF), referentes aos exercícios de 2008 a 2019. Para saber se teve a declaração liberada, o contribuinte deverá acessar a página da Receita na Internet, ou ligar para o Receitafone 146.

PRESERVAR

O deputado federal Leo Moraes entrou na seleta categoria dos políticos do alto clero em Brasília. Ele se tornou líder do Podemos, 14º maior partido nacional, na Câmara, cargo fundamental para projetá-lo na política nacional e do estado. Se desempenhar bem a nova função.

Por ser um político jovem que não precisa ter essa preocupação com o tempo, Leo deve afastar de vez de seu radar a disputa desse ano, que só acontece no âmbito municipal.

Se cumprir bem seu papel em Brasília estará incontestavelmente a caminho de uma vitória para o governo, em 2022. Mesmo não sendo candidato, o deputado ficará não ficará indiferente ao pleito em que as prefeituras e as cadeiras de vereadores estarão sendo disputadas.

SÓ NO BRASIL

A Justiça Federal aceitou o pedido da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para adiar um interrogatório para que ele vá ao Vaticano, onde tem um encontro agendado com o papa Francisco em 13 de fevereiro. Só falta agora a União patrocinar a viagem dele, com passagem e estadia, acompanhado de sua “assessoria”.

OPORTUNIDADE

Para os endinheirados acostumados a não perder boas ofertas em leilões. O juiz Marcelo Bretas, do Rio, vai marcar para abril o leilão do acervo de joias que pertenceu a Sérgio Cabral e Adriana Ancelmo. Entre as pechinchas de grife serão leiloadas um Vacheron Constantin Patrimony, em ouro branco, um Cartier Ronde Louis, com pulseira de ouro, um conjunto de anel e brincos com 146 diamantes.

MANDIOCA

Transformar o município de Porto Velho no maior produtor de mandioca de Rondônia é um dos objetivos do prefeito Hildon Chaves com o Programa de Incentivo à Mandiocultura, executado pela Semagric. Segundo Luiz Cláudio, titular da pasta, já foram beneficiados  mais de 1.350 pequenos produtores rurais e a meta é chegar a cinco mil hectares de área plantada em 2020.

AUTOR: GESSI TABORDA –  JORNALISTA –  COLUNISTA EM LINHAS GERAIS

Comentar

Print Friendly, PDF & Email
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com