Energisa: revelações mostram consumidores tratados como idiotas – Por Gessi Taborda

Escrito por
Atualizado: outubro 28, 2019

FILOSOFANDO

“Já defini a política como a arte de pedir votos aos pobres, pedir recursos financeiros aos ricos e mentir para ambos depois”.  Antônio Ermírio de Moraes, líder empresarial paulista, fundador da Votorantim.

EDITORIALZIM

A novela ainda não chegou o fim no STF. A decisão ficou para o mês de novembro. Mas não há esperanças de que a decisão da suprema corte brasileira vá ser de acordo com a vontade esmagadora do povo brasileiro. E assim lá no Brasil grande como cá na província o que vê é o visível o movimento de desesperança em todo o país.

O movimento de descrença nas representações política e administrativa é inegável. Em solo rondoniense a grande massa não acredita que o estado sairá de seu torpor econômico e volte a recuperar seu dinamismo antanho. A crise de descrença no governo atual é um dos grandes males enfrentado pela classe produtiva que não se sente estimulada a investir no desenvolvimento sustentável rondoniense.

E com o previsível desfecho da conclusão do julgamento da prisão em segunda instância no STF, certamente o novo Brasil desejado por todos os cidadãos de bem não vai nascer nesse ano. As instituições falidas moralmente, na seara política e do judiciário vão permanecer intactas.

Não é mais possível olhar para os centros de decisões em nível federal ou estadual (especificamente em se tratando de Rondônia) e acreditar que chegamos ao fim da impunidade, ao fim da corrupção e dos privilégios. Tudo continua como dantes no quartel de Abrantes, malgrado o esforço do governo federal em estancar a sangria praticada pelos seus antecessores.

E quando olhamos para nosso estado propriamente dito de Rondônia verificamos que os nossos principais problemas começam justamente na capital, na sua Esplanada das Secretarias, onde uma casta de privilegiados tomam decisões que não beneficiam os cidadãos.

A estrutura administrativa do governo, do legislativo estadual e das câmaras municipais está inchada, com muita gente fazendo pouco ou quase nada para merecer o salário no fim do mês. O pior de tudo é não divisar a existência de algum líder disposto a defender e executar uma transformação mais profunda, capaz de devolver ao povo a confiança perdida no mar de lama em que se transformou o poder pela sanha de gestores e políticos ainda impunes.

IDIOTAS

As últimas revelações sobre o comportamento da Energisa – a famigerada empresa que adquiriu o controle acionário da Ceron Distribuição e passou, com isso, a ser dona do monopólio de distribuição de energia elétrica do estado – deixaram a dissonância entre essa empresa e a maioria da população rondoniense mais visível. São revelações bizarras saídas da CPI em funcionamento na Assembleia para investigar o comportamento maléfico recheado com práticas de esbulho contra os consumidores.

A empresa detentora desse monopólio trata os consumidores rondonienses como idiotas ou então como praticantes de furtos de energia, justificando para ela a troca de medidores (relógios) de consumo de forma indiscriminada, com reajustes monstruosos nos valores dessas contas, sem levar em conta normas legais.

INSTITUIÇÕES

Graças à CPI dos deputados estaduais já se descobriu como o poder dessa empresa permeou as instituições do estado na operação esbulho contra os consumidores. Viu-se que a empresa para arrochar e intimidar consumidores contava com o apoio policialesco da segurança pública. E contava também com o Ipem que, mesmo sem estar preparado para vistoriar e auditar relógios marcadores de consumo estava sendo usado para “legalizar” os abusos da Energisa.

E como o dinheiro compra tudo, não foi difícil para a Energisa obter também o apoio de uma rede regional de TV de um conhecido negocista das comunicações. Ainda bem que a audiência dessa TV da negociata é apenas traço.

FARTO

O povo está farto de saber que a praxe dos políticos é enganá-los sempre. Mas outra vez, mesmo sem confiança, volta a esperar que a tal CPI não seja destinada a terminar em pizza.

Pode até ser que os atuais deputados continuem demonstrando determinação de limpar a imagem do político local. Isso vai acontecer com as delações que poderão ser feitas contra essa Energisa no Ministério Público que, por sua vez, terá de pedir a punição de suas condutas criminosas.

NATAL MELHOR

Fontes do setor de comércio disseram à coluna que o natal desse ano será bem melhor do que o de 2018. Além de um cenário econômico favorável, a antecipação de 500 reais do FGTS por parte do governo, multiplicado pelo universo de beneficiários, vai favorecer o consumo.

Essa previsão de maior consumo também contribuirá para ampliar o número de contratações temporárias no comércio portovelhense, de acordo com as mesmas fontes.

ENGORDANDO

O PSD está no processo de abrir os braços para receber lideranças políticas desconfortáveis com o comando tucano no estado. Políticos importantes alinhados ao ex-senador Expedito Júnior podem ir engrossar as fileiras do PSD, partido comandado em Rondônia por Júnior, deputado federal e filho de Expedito. Além do presidente da Assembleia, Laerte Gomes, considera-se também que o próprio prefeito Hildon Chaves, de Porto Velho, pode seguir seu caminho político pelas sendas do PSD.

FERIADO

Hoje é feriado: Dia do Servidor Público. Num dia como hoje se justifica uma leitura sobre o cenário de crise em que vive os brasileiros. E agora, além de tantas crises de ordem econômica nesse país do PIB ínfimo, temos a crise do Judiciário, quando estamos na iminência de ver o STF determinando a soltura de tantos bandidos do crime organizado.

JUSTIÇA

Temos uma dificuldade imensa de procurar o justo, estamos sempre esbarrando nos privilégios, que são para poucos; nas relações corporativistas, nas atitudes silenciosas que perpetuam o malfeito, na omissão que reflete a covardia de quem detém os poderes oficialmente constituídos ou no fundo, a descrença de que o Brasil pode ser diferente.

As leis que deveriam nortear a busca pela justiça, ao que parece torna-se a armadura para esconder o malfeito daqueles que a elaboram. São tantos artigos, parágrafos, incisos e alíneas que se misturam aos princípios constitucionais, que acabam por possibilitar a livre interpretação, fazendo das leis um fantoche que se usa quando e como se quer.

NO ABISMO

Um país que perpetua as relações de injustiça, que protege seus malfeitores, que colabora institucionalmente com a sensação de impunidade provavelmente nunca vai sair do abismo dos seus problemas sociais.

Enquanto não tivermos a coragem e ousadia de combatermos o nosso maior problema que é a corrupção, perpetuaremos a injustiça.

OUVINDO MAIS

Mais transparência pública nas atividades da prefeitura municipal de Porto Velho é o que espera o prefeito Hildon Chaves, através de um maior dinamismo da Ouvidoria Geral do Município. Para ele está convidando os cidadãos portovelhenses a fazer parte do controle social, sendo fiscais dos serviços públicos, registrando suas manifestações, sejam denúncias, elogios, reclamações, solicitações ou sugestões. Além de providenciar urnas para coleta de manifestação dos cidadãos a Ouvidoria vai melhorar a recepção das manifestações pela internet. As pessoas poderão utilizar esse serviço pelo site https://ouvidoria.portovelho.ro.gov.br, na plataforma fala.br ou pelos telefones 0800 6474717 e 3901-3141.

AUTOR: GESSI TABORDA –  COLUNA EM LINHAS GERAIS –  JORNALISTA

Comentar

Print Friendly, PDF & Email

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.