Deformações do populismo dos políticos dão poucas esperanças para 2018

Escrito por
Atualizado: agosto 11, 2017

FILOSOFANDO

Não espere por uma crise para descobrir o que é importante em sua vida.” PLATÃO (428/348 a.C), foi um filósofo e matemático do período clássico da Grécia Antiga.  Juntamente com seu mentor, Sócrates, e seu pupilo, Aristóteles, Platão ajudou a construir os alicerces da filosofia natural, da ciência e da filosofia ocidental.

SÓ A BOMBA

Fachin livrou Temer do “Quadrilhão” do PMDB. Agora, no Planalto, tudo é calmaria. Más há outras ameaças. Uma bomba pode explodir a qualquer momento, quando o procurador geral Rodrigo Janot apresentará a segunda denúncia contra Temer, o que deve ocorrer no final deste mês ou início de setembro. O último dia de Janot à frente da PGR é 17 de setembro. No dia seguinte assume Raquel Dodge.

OBSTÁCULO

O desejo de privatizar a Caerd ainda é latente nos limites do governo. Mas não será fácil privatizar a estatal que não conseguiu – ao logo de sua existência – resolver o problema de saneamento básico em Rondônia, especialmente no segmento de esgotamento sanitário. Trabalhadores da estatal devem ir, se necessário, até ao STF com o intuito de demonstra que a venda da estatal fere princípios constitucionais.

INVESTIGAÇÃO

Deputados estaduais desconfiam que as obras da nova sede da Assembleia Legislativa não escaparão de investigação voltada para aferir contratos, sobre aditivos e sua correlação com o custo final da obra.

ROMBO IMENSO

Está aí o resultado da tão propalada política de ajuste fiscal, anunciada por Michel Temer quanto tomou posse no ano passado. Estamos diante do maior rombo orçamentário da história do Brasil. Tudo para “comprar” o voto de deputados contra a denúncia do presidente, seja através da liberação de emendas ou por perdão de débitos. O Brasil segue descendo a ladeira.

OBJETIVO

Neste momento, os inimigos entre si negociam como se amigos fossem, para neutralizar a Lava Jato e outras iniciativas semelhantes. Há manobras subterrâneas, como a redução das verbas, a redistribuição dos inquéritos; e há manobras abertas, de denúncia de questões reais de chefes das ações anticorrupção – procuradores e juízes com penduricalhos salariais que ganham acima do teto constitucional, longas prisões sem julgamento, bons acordos, muito bons, para delatores.

IMPERDOÁVEL

A pressão realizada contra este escriba nos escaninhos da Assembleia tem como principal objetivo intimidar minha determinação de não deixar de lado minha responsabilidade de criticar as nuances mais negativas praticadas por membros do parlamento em interesse próprio ou de suas paróquias. Veículos e jornalistas que revelam os aspectos do desperdício de dinheiro público e do assédio de comissionados colocados em posição de mando para agir como paus-mandados são tratados como verdadeiros hereges, mesmo se suas críticas forem consistentes. Só tem vez a turma do oba-oba, a patota ligada à imprensa amestrada.

ACREANO

Bruno Borges, o estudante de psicologia acreano desaparecido misteriosamente está de (também misteriosamente) volta Rio Branco. A família evita comentários sobre o “menino” que desapareceu em 27 de março. Tudo sugere um excelente trabalho de Marketing. Como chamam um homem de 24 anos de “menino”? E assim surge uma nova religião, né? Não duvide não, pois por muito menos, Inri Cristo fundou a dele, e como ele tantos outros.

INEGÁVEL

Nunca houve um prefeito comprometido em melhorar a qualidade de vida da capital rondoniense como Hildon Chaves. Em toda a cidade acontecem os mutirões de limpeza, o combate aos focos de mosquitos a pavimentação de trechos de ruas esquecidas pelos prefeitos anteriores. Exemplo disso é a minha própria rua (Severino Ozias, antiga Barbados) que finalmente está toda asfaltada. Cobrança que começou ainda nos tempos em que Tomas Correia chefiou a prefeitura. Só agora o resgate aconteceu.

GRANDEZA

Não consigo incutir nem mesmo nas pessoas mais próximas esperança de que nossos principais problemas, em nível de país e de estado, terão alguma solução com o pleito do próximo ano. No estado, quando olhamos esse cenário, constatamos que a realidade rondoniense está alicerçada nas deformações do populismo.

Com políticos identificados, em sua maioria, com figuras interessadas mais na troca de vantagens, de cargos, de emendas ou de privilégios que o povo repele (por esse motivo a maior parte dos deputados votaram a favor de Temer) vai ser difícil para o eleitorado determinar o banimento definitivo da corrupção nos poderes autônomos, elegendo representantes com consciência, forjados na grandeza de suas responsabilidades para com a sociedade.

PRIORIDADES

O estado (tal qual o país) precisa de gestores comprometidos com o povão. Dependemos de projetos que respeitem as prioridades sociais, como educação, saúde e justiça social, dando condições ao povo de decidir seus caminhos sem ter como único critério o de eleger pastores de igrejas, sindicalistas de esquerda (??), apresentadores de televisão, padres e locutores de rádio.

Comentar

Print Friendly, PDF & Email

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *