Cidades

Porto Velho: Semusa esclarece sobre atendimentos nas unidades de referência para Covid-19

Município está se organizando para dar conta ao número de leitos de observação em todas as UPAs e leitos de internação na maternidade específicos, entre outros

Na quarta-feira (20), a Prefeitura de Porto Velho, através da Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), apresentou informações sobre os atendimentos prestados aos pacientes suspeitos ou confirmados do novo coronavírus (Covid-19) no âmbito do município. Os dados foram divulgados durante coletiva de imprensa, na sede da Semusa.

Em 24 horas, foram confirmados 305 novos casos da doença, ampliando o número geral para 1.885, com o saldo de 57 óbitos. Segundo a secretária titular da Semusa, Eliana Pasini, a população está desesperada e angustiada na busca por atendimentos.

“O município está se organizando para dar conta de atender como, por exemplo, a ampliação do número de leitos de observação em todas as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), leitos de internação na Maternidade específicos à Covid-19, além da criação e ampliação do call center (0800) e o Centro de Especialidades Médicas (CEM)”, ressaltou.

“Precisamos mais do que nunca da compreensão e participação de todos para conseguir passar esta fase. Continuamos pedindo que fiquem em casa, que adotem as medidas de higiene recomendadas. Se estamos tendo este grande número de contaminação é porque a população continua exposta e, a gente sofre junto, pois servidores da saúde também estão adoecendo”, implorou Eliana ao informar que pelo menos 302 profissionais da área foram afastados com suspeita ou confirmação da Covid-19, sendo que destes, 150 já retornaram ao trabalho.

ESCLARECIMENTO

A criação do serviço de do Call Center (0800 647 5225) se deu para que profissionais acima dos 60 anos ou que tenha alguma comorbidade pudesse sair do fronte de atendimento na rede de saúde. A secretária adjunta, Marilene Penati, esclareceu como funciona o atendimento, alvo de reclamações nos últimos dias.

“O Call Center funciona e funciona bem. Nele a população pode receber informações e orientações. O que ocorre é que, o número de pessoas que estão se infectando está aumentando de forma exponencial. O serviço tem o apoio de um técnico que pega todas as informações e dados e, em seguida, encaminha ao médico. Todo Call Center demora, pois é preciso cuidado neste processo e há um tempo de espera, claro”, lembrou Marilene.

De acordo com a Semusa, existe uma atenção especial àqueles que buscam atendimento pelo 0800 e há uma fila de retorno aos pacientes, com prioridade, por exemplo, àqueles que possuem hipertensão, diabetes, obesidade.

ENCAMINHAMENTO AO CEM

Marilene ainda disse sobre os critérios para encaminhamentos ao CEM. Segundo ela, “há muitas pessoas estão agindo de má fé” sobre o procedimento. “Os critérios à coleta do material para o exame de Swab [com material obtido da mucosa do fundo do nariz ou da garganta com uso de uma haste flexível que detecta um fragmento do genoma do vírus] tem de ser respeitado”, reforçou.

“Em nenhum lugar do nosso país tem condições de fazer esta testagem em massa. O exame só é feito a partir do terceiro dia com sintomas, ou seja, é preciso entender a sistemática da doença, pois não tem um tratamento específico, pois não há ainda, um remédio que cura. Há apenas um impasse sobre o uso ou não de uma determinada medicação”, completou.

O CEM teve um aumento no número de atendimentos. Em abril, foram 768 consultas médicas e 98 exames para Covid-19 e, em maio, saltou para 1.02 consultas e 564 exames (até 19/05). “Não vão ser testados todos os pacientes, infelizmente. O que a gente orienta é que o padrão para buscar atendimento é o padrão respiratório. Afinal, não vamos conseguir abarcar toda a população. Quem tiver casos leves devem procurar as UPAs e Unidades Básicas de Saúde”, reitera a secretária adjunta da Semusa.

SÍNDROME GRIPAL E TESTES

A médica infectologista Maiara Cristina falou que em tempos de pandemia qualquer síndrome gripal (febre ou sensação, dor de garganta, coriza ou dificuldade de respirar) é coronavírus. “Estas pessoas devem ficar 14 dias isoladas em casa sem a necessidade de saber se há um diagnóstico positivo para Covid-19. O que ocorre é que, por ficarem sem trabalhar, muitas pessoas buscam o CEM em busca de um atestado médico”, relatou.

Já quem tem 60 anos ou mais ou que estão no grupo de risco podem ter o atendimento presencial necessário no CEM por haver uma possiblidade de agravamento da síndrome gripal.

“Nenhuma medicação mostrou ser benéfica contra o coronavírus. Não há necessidade de procurar um médico para ter uma medicação e, principalmente, não é recomendada a automedicação, pois pode gerar complicações à saúde”, concluiu Maiara Cristina.

DADOS ATUALIZADOS

De acordo com os dados da Semusa, até 18/05, o Call Center atendeu 8.856 ligações, sendo que 24% destes encaminhados ao CEM e 9% encaminhados
à UPA.

Na UPA Leste foram 521 pacientes atendidos entre abril e maio (até 19/05). Já a UPA Sul prestou atendimentos a 1.02 pacientes de março e maio (até 19/05). O Samu realizou 559 atendimentos entre março e abril (até 19/05).

FONTE: ASSESSORIA CONDECOM

Comentar

Print Friendly, PDF & Email
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com