Brasil Produtivo

Talita Resende, coordenadora de diagnóstico da Sanphar, aborda os efeitos da infecção por Lawsonia intracellularis em diferentes células

Talita Resende, coordenadora de diagnóstico da Sanphar, aborda os efeitos da infecção pela bactéria Lawsonia intracellularis em diferentes células de mamíferos em live realizada pela SuinoCast, podcast da suinocultura brasileira. A conversa teve como base artigo sobre o tema publicado no periódico Veterinary Microbiology e discutiu como a divulgação de conhecimentos sobre a bactéria ajudam a enfrentá-la na suinocultura. Talita tem doutorado em Medicina Veterinária pela Universidade de Minnesota, nos Estados Unidos.

“A Lawsonia intracellularis causa a enteropatia proliferativa, doença conhecida popularmente como ileíte. Quando infectados pela Lawsonia intracellularis, os suínos apresentam quadros de diarreia, o que afeta diretamente o ganho de peso. Essa é uma enfermidade relativamente nova, pois apesar das lesões serem relatadas em suínos há muitos anos, a bactéria só foi reconhecida como o agente causador da ileíte na decada de 1990”, destaca a médica veterinária da Sanphar.

Talita Resende informa que, devido às suas especificidades para isolamento e manutenção em laboratório, pouco se sabe como a Lawsonia intracellularis instala-se no intestino dos suínos. “Essa carência de conhecimento dificulta o desenvolvimento de estratégias de prevenção e de controle da doença”, diz.

Durante o seu doutorado, a coordenadora de diagnóstico da Sanphar investigou os efeitos da infecção bacteriana em diferentes células (de suínos, camundongo, rato e ser humano) com diferentes condições de cultivo. O objetivo foi verificar se tais células seriam capazes de reproduzir a proliferação celular induzida pela bactéria no intestino dos animais afetados.

Estudos como esse podem contribuir para o desenvolvimento de vacinas ou de tratamentos que não envolvam antimicrobianos. “Mesmo sem atingir o resultado que esperávamos, pudemos demonstrar que dependemos do avanço das pesquisas de ciência básica para que, a médio e longo prazos, possamos controlar a doença, tal qual como já fazemos com outras bactérias intestinais, como Salmonella e E. Coli”, ressalta Talita Resende.

FONTE: ASSESSORIA TEXTO COMUNICAÇÃO

Comentar

Print Friendly, PDF & Email
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com