Brasil e Paraguai fazem parceria para extrair óleo de macaúba com alta qualidade

Escrito por
Atualizado: fevereiro 9, 2019

A Embrapa Agroenergia (DF) e a Universidade Nacional de Assunção (UNA), no Paraguai, estão desenvolvendo em parceria um conjunto de processos para a extração de óleo da macaúba a partir de sua polpa. Em laboratório, os cientistas já obtiveram óleo de boa qualidade por meio de métodos ambientalmente sustentáveis e capazes de aumentar o volume do produto extraído em mais de 50%.

Também conhecida como bocaiúva em alguns lugares do Brasil, ou como coco Mbokaja, pelos paraguaios, a macaúba pode fornecer um óleo de ótima qualidade e alto valor. Porém, os métodos convencionais utilizados para a sua obtenção, como a prensagem, não conseguem obter um produto com qualidade, o que restringe seu uso.

Desde julho, os pesquisadores paraguaios Mario Smidt e Juan Daniel Rivaldi e a pesquisadora da Embrapa Simone Palma Fávaro realizam nos laboratórios e planta-piloto a extração do óleo da polpa da macaúba em processos sem o uso de derivados de petróleo e com baixo gasto energético, o que dá sustentabilidade ambiental ao método.

Smidt conta que nos primeiros experimentos realizados na Embrapa Agroenergia foram testados os métodos em escala laboratorial. Estão em andamento testes em escala de planta-piloto.

O óleo de macaúba produzido no Paraguai é extraído principalmente da amêndoa de forma tradicional por prensagem, bem como da polpa. Como o manejo aplicado ao fruto após a sua colheita não é adequado, o óleo de polpa tem baixa qualidade. A pesquisadora Simone Fávaro conta que, por causa dessa baixa qualidade, ele não pode ser matéria-prima para a produção do biodiesel.

Aumento em mais de 50% do volume

De acordo com a pesquisadora, os processos que estão sendo testados são de interesse tanto do Paraguai quanto do Brasil. No país vizinho, o óleo do coco Mbokaja comercializado é principalmente da amêndoa, que representa somente 25% do potencial do fruto. Com a aplicação de novos métodos de extração, a produção de óleo poderá ser incrementada em mais de 50% com o aproveitamento também do óleo de polpa. “A parceria com o Paraguai está nos ajudando a complementar o trabalho com a visão da indústria, o que irá trazer um ganho também para a cadeia da macaúba no Brasil”, ressalta Fávaro.

O próximo passo será testar os métodos desenvolvidos em um ambiente de produção na indústria. Os processos são realizados em equipamentos já utilizados para extração de outros óleos, mas que não eram aplicados para macaúba, complementa a pesquisadora da Embrapa.

“Com os resultados desse trabalho pretendemos apoiar as iniciativas de implantação de negócios com a macaúba, aproveitando o fruto de forma mais eficiente, gerando maior viabilidade econômica com produtos de melhor qualidade e com sistemas de produção de baixo impacto negativo sobre o ambiente”, destaca Fávaro.

Macaúba em cosméticos, alimentos e combustíveis

A especialista conta que a melhor qualidade do óleo produzido permitirá sua aplicação não só em biocombustíveis, mas também em outros os segmentos valiosos de mercado como cosméticos, alimentação e vários outros. “No Brasil, existem empresas que importam o óleo de amêndoa da macaúba produzido no Paraguai para produzir sabonete e outros produtos de higiene pessoal e alimentos. Hoje o País tem um déficit de produção de óleos de palmeira. Somente de óleo de palma, o dendê, importa cerca de 200 mil toneladas anuais. É esse o tamanho do mercado apenas no âmbito nacional para os óleos da macaúba”, apresenta a pesquisadora da Embrapa.

Essa é uma entre as iniciativas de pesquisas para domesticar a macaúba e torná-la fonte de matéria-prima para o agronegócio brasileiro. No Brasil, a espécie é encontrada naturalmente em todas as regiões. A Embrapa Agroenergia procura parceiros para ampliar a pesquisa em uma escala maior e tornar o processo comercial. Para isso, os interessados podem entra em contato e conhecer nossas formas de parcerias.Um das delas é pela unidade Embrapii/Embrapa Agroenergia. Saiba mais: www.embrapa.br/agroenergia

FONTE: EMBRAPA

Comentar

Print Friendly, PDF & Email

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.